sábado, 30 de junho de 2012

“É um fenômeno curioso: O pais ergue-se indignado, moureja o dia inteiro indignado, come, bebe e diverte-se indignado, mas não passa disto. Falta-lhe o romantismo cívico da agressão. Somos, socialmente, uma coletividade pacífica de revoltados”. Miguel Torga.

sábado, 9 de junho de 2012

ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO

Senhor! Fazei de mim um instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor.
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.
Onde houver erro, que eu leve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais:
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe.
É perdoando que se é perdoado.
E é morrendo que se vive para a vida eterna.

Tradução de Manuel Bandeira.

sábado, 2 de junho de 2012

COLETIVO SUBURBANO

Nos ônibus, meus companheiros
São menos complicados: pensam
No almoço simples, nas mulheres,
No futebol e no chuveiro.

Eu, o suspeito; eu, a exceção
Dentro do carro, nessa linha:
Estou perdido, estou sozinho
E completamente perdido.

Bocejo na poltrona e só
Duas vezes me descortino
Diante da amada que, franzina,
Desconfia de meus propósitos.

Somente na minha janela,
No vidro fosco, transparecem
Garras de fumaça e de medo
Que fumegam no vale em viagem.

Ao menos lá no terminal
Deste ônibus existe Deus?
Impossível que não exista
E que existindo me abandone.

Alberto da Cunha Melo

HEBDOMADÁRIO

Todos sem Deus, na expectativa
De que nossa felicidade
Virá na próxima semana,
Talvez no próximo navio.

Mas não ousamos anular
O meio século de vida
Que foi, de sete em sete dias,
Inocentes, nos devorando.

A sombra de algum edifício
Escureceu os nossos rostos
E o monstro do quotidiano
Nos cerca nas esquinas tristes.

Aos domingos tão esperados,
Estendemos o nosso sono
Além do tempo habitual
E despertamos muito tarde.

Tão tarde que todas as moças
Livres já estão no mar,
Tão tarde que a segunda-feira
Amarga já é pressentida.

Alberto da Cunha Melo