terça-feira, 20 de junho de 2023

DESVELO

(Para doce e preciosa Nanda Olliveh, 
onde quer que esteja)
 
Em que planeta te escondes, aonde.
Em que galáxia, há mil anos luz.
Em que beco sombrio, a tremer de frio.
Em que rua deserta dessa cidade hostil.
 
Minha preocupação ganha asas,
É um satélite pairando sobre tua casa.
É um cão de guarda, ave de rapina.
Mais atenciosa  que tua sombra,
Não te abandona na escuridão.

Minha preocupação é receio, cuidado.
Medo vão, zelo estremado, é ânsia.
Aponta a distância telescópios exagerados,
Devoção de monge ao templo sagrado.
 
  (Fábio Murilo, 03.12.2014)

4 comentários:

Anônimo disse...

Obrigada pela lembrança, amigo. Lembranças de um tempo em que eu ainda tinha esperanca

Anônimo disse...

Saudades de um tempo em que eu tinha a esperança de ser feliz, e que ainda sentia a felicidade. Estou lutando, lutando muito... Breve verei um jeito de nos falarmos. Muitas saudades. Um grande abraço.

Helena Rodrigues disse...

Ah, os desencontros! Entre idas e vindas, às vezes, a vida ainda pode nos surpreender...

Fábio Murilo disse...

Boas recordações e muita saudade também, Nandita. Mulher incomum e intensa. Sensível.

Postar um comentário