segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Da mais alta janela da minha casa, com um lenço branco, digo adeus aos meus versos que partem para a Humanidade. E não estou alegre nem triste. Esse é o destino dos versos. Escrevi-os e devo mostra-los a todos, porque não posso fazer o contrário, como a flor não pode esconder a cor, nem o rio esconder que corre, nem a árvore esconder que dá fruto. (Alberto Caeiro-heterônimo de Fernando Pessoa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário