sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Apegado


Meu apego não te largo,
Nossa simbiose perfeita
Tão lindamente construída.

Sem você nada tem sentido,
Meu horto,  zona de conforto,
Meu refugio, meu abrigo.

Se não estou contigo,
Vejo-me sem braços,
 Ouvidos, emudecido.
Eu todo modificado,
Um oco, um misantropo.

Que é impossível não se envolver,
 Querer ser pela metade, amedrontado.
E se envolvendo não criar laços
E criando laços não estar envolvido.

Fábio Murilo, 31.08.2016

16 comentários:

  1. O amor é exigente...
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Murilo, tem um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso poema. Parabéns. Adorei

    Sábado feliz. Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Um apego muito difícil de ser desapegado.
    Quando construímos essa união e ela de repente se desfaz
    tudo fica modificado,mas os laços ainda podem unirem-se.
    Uma reflexão Fábio Murilo!
    Gostei.
    Bjs e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  4. Formidável como sempre meu amigo. Parabéns pela obra e por me inspirar.

    ResponderExcluir
  5. Essa é a verdadeira união, uma necessidade, uma falta, um imenso prazer em estar junto. Esse é o único apego que não deve desfazer-se.
    Muito bom, gostei!
    Beijo, Fábio!

    ResponderExcluir
  6. Lindo demais Fábio!!!

    Beijos, amigo!

    Nanda

    ResponderExcluir
  7. Que bom é estar assim, apegado.
    Maravilhoso poema
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  8. muito melodioso
    apetece cantar
    muito belo isto!
    beijinho
    :)

    ResponderExcluir
  9. Quer coisa mais gostosa do que se apegar a alguém? Sem a pessoa amada nada tem sentido, nada tem gosto, nem prazer, nem brilho, mas quando se está junto... Ah, maravilha das maravilhas! É como se o Universo se pusesse em movimento!
    Adorei o teu poema, meu querido! Como também adorei a tua tia Maria, realmente "uma mulher de atitude e personalidade" como bem disseste. E que coração lindo! O mundo está carecendo de pessoas assim, generosas, doadoras, humanas. Até o fato de recusar a televisão que ela, conscientemente, sabia que não iria usar, confesso, causou-me admiração, pela sinceridade, despreendimento, e pela autenticidade. Pessoas simples assim usam as palavras e as atitudes como suporte de vida, preferindo usar a franqueza ao invés de aceitar um presente e deixá-lo de lado sem fazer nenhum uso. Excelente também essa tua postagem, meu amigo!
    Mesmo em pausa, quando bate a saudade encontramos um tempinho para visitar aos amigos queridos.
    Que na tua semana os sorrisos possam encontrar guarida no teu coração e as estrelas possam se aninhar no teu olhar.
    Com meu carinho,
    Helena

    ResponderExcluir
  10. Fábio,

    Poema belo e com pitadas de humor (pernambucano...)
    e o amor com paixão tem apego, e com vontade de
    ficar grudados.
    Abraço, poeta.

    ResponderExcluir
  11. Poesia seduzente, envolvente.
    Não curto me apegar, pode ser perigoso.
    Adorei!

    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Olá Fábio
    Lindos versos!! Definem bem o apego que o Amor, cada vez mais intensamente, faz-nos sentir.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  13. Fico sem saber o que dizer porque você sempre diz tudo!

    <3

    ResponderExcluir
  14. Voltei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler o seu magnífico poema.
    Murilo, tem uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Olá, Fábio.
    Que lindo!
    Bom mesmo é descobrir que alguém é exatamente o que nos faltava. Algo que nada mais pode suprir.

    Beijos.
    Blog: *** Caos ***

    ResponderExcluir
  16. Como criar laços e não se envolver?
    O paradoxo do do amor.
    Bela poesia. Bj

    ResponderExcluir