domingo, 18 de dezembro de 2016

Entrementes


Quando estou do teu lado,
A vida não passa, me alisa, desliza.
Nenhum minuto é desperdiçado,
É uma sobrevida, alívio, lenitivo,
Um fôlego a mais a um afogado.

Mas, se não estás tua falta é sentida,
Pressentida, uma sede, uma nódoa,
Espinho encravado na carne, arde.

Os cômodos ficam incômodos:
Quartos, cozinha, terraço, telhado,
Sala de estar sem você estar.
A casa toda não me cabe, sufoca,
Por mais que eu abra portas e janelas
Nem o mundo todo me comportará.
Pois tudo o que importa não está
Lá fora, é dentro de mim que está.

E pense numa coisa frustrante, sem graça,
Mesmo que sentar numa praça no deserto,
Olhar o leito vazio de um rio que já não passa,
Não ver no céu um eclipse, na hora agá nublado,
Que depois não se sabe quando ocorrerá.

Fábio Murilo, 11.12.2016

12 comentários:

  1. O sentimento de um amor distante!
    Suas palavras expressam um amor presente,mas ao mesmo tempo parece tão ausente.
    Lindo poema.
    Bjs e um ótimo final de domingo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  2. Linda imagem e belo tema!
    Quando o amor explode ao peito
    Deixa-nos mesmo de um jeito
    Algemado e sem algema

    Sem poesia ou poema...
    Como se algum defeito
    Existisse no sujeito
    De uma gravidade extrema,

    Mas ao peito, a mão amiga
    De uma bela rapariga
    Faz chegar-se ao paraíso

    Sem lembrar de dor ou briga
    E os anjos cantam a cantiga
    De se perder o juízo.

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  3. ... chorei ao ler, Fábio, de tão sentido e lindo, esse poema.
    Passou tanta verdade, sabe?...
    É tão bonita uma declaração assim... essa coisa de amar e sentir a falta do outro, e dizer... e outro saber que é quase o ar da outra pessoa. Um amor assim, hoje em dia está escasso.

    Mais uma pérola, poeta!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Belíssimo poema.
    Hoje venho especialmente para desejar um Natal muito Feliz e um Bom Ano Novo.
    Que 2017 seja um ano pleno de sonhos realizados, alegrias constantes, amizade e amor sempre presentes, excelente saúde, e incontáveis momentos felizes.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  5. Que belos versos, descrevem de forma perfeita e poética o sentimento da saudade..

    Tenha um excelente final de ano!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. Poema encantador, assim como o amor.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Pois é, muito certo esse belo soneto Entrementes. Amar é ser companheiro (a), é gostar de estar sempre junto, é se preocupar, é sentir falta. É buscar.
    Muito bonito, Fábio, você está encerrando o ano com chave de ouro! Ou será um menino de ouro?
    Beijo, amigo! que Deus te abençoe com essa tua criatividade toda. E que nos traga lindos poemas para 2017!

    ResponderExcluir
  8. assei para;
    Que o este Natal seja de: Paz...Amor...harmonia, no aconchego familiar, sem entrarmos em exageros...Principalmente, que tenhamos saúde. Extensivo aos vossos familiares e amigos.
    Que todo o Mundo tenha direito ao Natal... BOAS FESTAS.

    ResponderExcluir
  9. Mais um belo poema, com este teu padrão
    de qualidade expressiva sempre bela, Poeta!

    Deixo meus votos de que tenhas tido um
    feliz natal na paz e harmonia junto com
    a tua família.
    Grata pelo teus votos deixado no meu espaço, Fábio.

    ResponderExcluir
  10. Oh, meu amigo, te vi na Ariana e vim só para desejar a você um ótimo ano, sem velas, sem aquelas simpatias de mudança de ano, apenas para dizer que foi muito bom o intercâmbio com você, sua amizade, ler seus bem construídos poemas. E que isso tudo se renove em 2017. Feliz Ano a você e sua família.
    Beijo, Fábio!

    ResponderExcluir