sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Guerreira


Guerreira eu sei que tua vida não tem sido fácil, eu sei, guerreira. Mas, és valorosa, tu és uma rosa no meio do charco, tu és de ferro, uma rocha inabalável que o vento fustiga, as ondas castigam e em troca te adaptas, virás escultura, fica mais admirada, admirável, mais bela, transformas as vicissitudes em lucro, aprendizado. 

Daqui de baixo observo teu rastro, nessa insignificância cotidiana, sobre a qual tu planas feito um pássaro, uma águia soberana, com tuas lindas plumas reluzentes, incandescente, contra o sol inclemente, realçadas. Também tens a brancura das garças, és uma graça, guerreira, que nunca se macula, se suja nas águas turvas, barrentas dos rios correntes, e magoas adjacentes, sempre reluzente, de um branco impecável, que dói na vista, mesmo na lama dos mangues. Tens a envergadura dos condores dos Andes, nas alturas, nas dores, aonde ninguém se aventura, só tu guerreira, mulher ave, leve. 

Teu fôlego é impressionante e impressionável, também mergulhas, quando queres, perfeitamente adaptável aos mares insondáveis, nunca dantes navegados, meio mulher, meio ave, meio peixe, sereia, peixe voador, seria, mais apropriado chamar-te, em tal profundidade aonde só são observáveis os peixes abissais, com seus corpos brindados, iguais ao teu, guerreira, que aguentam pressões absurdas, temperaturas incalculáveis e no entanto nada dizem, reclamam, como que acariciados no ambiente adverso, simplesmente pairam, calmos, tranquilos, esguios, encantam, fascinam, até produzem luzes próprias que nem vaga-lumes de um céu ao contrario, no breu dos mares, no frio extremo onde nada mais sobrevive. 

E já és vitoriosa, guerreira, vivo te dizendo, te proclamando, só sendo agora o que és. Mas com teu jeito versátil, dinâmico, não paras, não te dás por satisfeita, vencida, sempre inventando, se superando... És uma sobrevivente, guerreira, da mesma feitura dos metais preciosos, pérolas, pedras raras, valiosas, emergentes dos fundos dos rios, da profundeza hostil da terra, do barro, que não se compara a qualquer seixo, pedregulho, cascalho e que devem ser guardados a sete chaves, com todo cuidado e zelo, porque são difíceis de tê-los e encontrá-los.

Fábio Murilo, 04.12.2016

11 comentários:

  1. Nossa... que texto bonito, forte, uma prosa poética linda. Deve ser uma Deusa! Mulher forte.
    Parabéns, Fábio, muito bonito do começo ao fim, em bom ritmo.
    Beijo, amigo.

    ResponderExcluir
  2. Um texto maravilhoso!

    Bom fim de semana.

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. é, não está fácil, e agora vem o calor para piorar, ainda mais aí no Recife, que, diz o pessoal daí, fica logo depois do inferno, virando à direita.

    =)

    ResponderExcluir
  4. Fábio Murilo,muito tocante suas palavras para essa guerreira,que não vê obstáculos e os supera com dignidade.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  5. Um texto lindamente poetizado e bem definido a uma grande guerreira e mulher de superação
    Parabéns meu querido, fiz questão de vir até seu lindo espaço ler está obra prima
    Bjs
    Clarice

    ResponderExcluir
  6. Belíssimo!!
    Uma prosa poética encantadora, Fábio.
    Uma semana luminosa, Poeta.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Um texto para deixar a auto estima nas alturas.
    Muito incentivador. Bjuss

    ResponderExcluir
  8. Que lindo, Fábio!
    Algumas mulheres possuem uma determinação incansável. Precisamos, sim, valorizá-las.

    Beijos!
    Blog: *** Caos ***

    ResponderExcluir
  9. Querido amigo, sei que o tempo está apertando, muitas coisas a fazer, mas não deixaria de passar aqui para lhe deixar um abraço e desejo de uma linda noite de Natal junto à sua família, com paz e alegria.
    Beijo, Fábio, até!!

    ResponderExcluir
  10. Sua sensibilidade me assusta, Fábio.

    Ao meu ver, a vida nos exige isso: que sejamos guerreiros.
    É ela que nos forja para grandes batalhas.
    Não é fácil, muitas das vezes até olhamos para o lado e pensamos: poxa, a vida de fulano é tão mais fácil. Não, o certo é nos levantarmos e pedirmos a Deus, armamentos para enfrentarmos as guerras... assim certamente sairemos vitoriosos e não seremos vencidos e envergonhados, perante os nossos inimigos (batalhas, lutas) que nos sobrevêm. Mas será que é simples, assim? Nem sempre. Às vezes as lutas nos abate, como na luta de MMA, vamos a nocaute! Mas no último momento da contagem regressiva, nos levantamos e surpreendemos a todos ao nosso redor. Glorificado seja Deus, por isso.

    Amei seu texto. Obrigada sempre, amigo!

    Um beijo!

    ResponderExcluir