sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Das Coisas Inusitadas


Antes que eu perca a graça
Como um velho parque de diversões
Sucumbindo à ferrugem e o abandono,
Como um brinquedo ultrapassado
Deixado num canto,
Por desencanto do dono.
Chegarei de surpresa
Como um temporal
Anunciado-me em raios e trovoadas;
Como uma chuva de verão
Alagando as ruas, lavando as calçadas;
Como uma aurora boreal,
No teu quintal, de madrugada.

Fábio Murilo, 06.02.2014

30 comentários:

  1. Um dos mais lindos que ja vi aqui.
    Surpresas como uma chuva de verão,
    um encontro na madrugada são molas mestras
    pra nunca se pereder a graça!
    Beijos moço
    Feçiz sábado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendeu bem, opinião de peso! Beijos moça. Obrigado pelas visitas!

      Excluir
  2. Boa tarde Fábio Murilo.

    Adorei o teu poema....
    Mas neste momento não quero nem chuvas nem tempoais... a não ser que de " Amor" Loooool Brinco. ....Gostei muito


    Passando para desejar um bom fim de semana.

    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chuva, temporal, inundação... Seja o que for, sendo de amor, rs... Obrigado Cidália.

      Excluir
  3. O efeito surpresa e a novidade como passaporte para o encantamento. Abalar as estruturas do que está quieto e mudo, chegar deixando rasto, marcando bem a presença. Acender o que o que está apagado e criar a cada dia um novo sentir e novas emoções através de um entusiasmo que permita júbilo.
    Haja recomeço. Nem por acaso; é da madrugada que o novo dia sempre nasce...;-)
    Lindíssimo poema, Fábio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dizer mais o que?! Não me atrevo. Perfeita como sempre, Laura

      Excluir
  4. Fábio, às vezes, não é bom pensar muito. O jeito é decidir. confiar, ousar...
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, as vezes é verdade, Shirley. Obrigado. Beijos!

      Excluir
  5. ''Chegarei de surpresa
    Como um temporal''

    É o que penso de ti a cada poesia.

    ResponderExcluir
  6. Olá poeta Fábio Murilo, que mimo de poema, tão poético rs...no meu caso acho que já perdi a graça:
    Como um brinquedo ultrapassado
    Deixado num canto,
    Por desencanto do dono.
    Então não cairei como chuva de verão e muito menos como uma aurora boreal, mas deixarei meu coração livre, meus olhos e sentidos, para apreciar mais um belo poema que encontro neste espaço aqui, obrigado.
    ps. Carinho respoeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Animo Jair, a vida é uma caixa de surpresas e um vai e vem, nada é definitivo, nem o sofrimento, nem a alegria. A vida é quem manda, nós só administramos da melhor maneira, nos equilibramos sobre a superfície dos dias, dos acontecimentos, adversos ou não. É seremos de ser agraciados, o sol nasce para todos, bons momentos não escolhem ninguém, e nos acolhem a qualquer momento. Obrigado pela simpática visita.

      Excluir
  7. Lindo! Teus versos me encantam!

    Boa semana Fábio :)

    ResponderExcluir
  8. Olá.
    Que você tenha uma semana com muita paz, muita luz e muita paciência. A vida, é assim, alegrias e contornos. Por isso, nada melhor que um pensamento positivo.
    Recebas, o meu sentimento de amizade, aliado à um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prá você também José Maria. Obrigado pela amizade.

      Excluir
  9. Háaa que grata surpresa seria a quem se dedica o texto Fábio. Lindo Texto.
    És ótimo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que todos gostem do que foge ao lugar comum, de surpresas agradáveis. Obrigado, Nato, sempre gentil!

      Excluir
  10. O que captei desse teu belo poema é que quando perdemos algo que por algum motivo não se ajusta mais às nossas necessidades, calma... aparecerá algo que substituirá o antigo, quem sabe virá com outra força, talvez mais madura e duradoura! Mais significativa. Nossos momentos passam, nossas necessidades também. Tudo tem de ser ajustado.
    Uma linda e produtiva semana!
    bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Poema está aberto as interpretações. Obrigado, Tais.

      Excluir
  11. Olá, Fábio. Estou vendo teu blog pela primeira vez.
    Gostei das rimas inusitadas no final do poema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Marcos, seja sempre bem vindo, é um prazer receber sua visita.

      Excluir
  12. Fábio, estou levando este poema para postar na Academia Virtual de Escritores Clandestinos, no facebook, ok? Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tranquilo, farei muito gosto, obrigado A. J. Cardiais.

      Excluir
  13. fábio, vc sempre incrível com as palavras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Antonio de LaCarne, você que é o cara! rs...

      Excluir
  14. Muito bom o sentido deste teu poema amigo Fábio !
    Gostei !

    Beijos !

    Fernanda Oliveira

    ResponderExcluir