sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Clarice Lispector por Carlos Navas

2 comentários:

  1. A importância de estar distraído, de não prestar atenção, de não controlar o outro, de evitar essa mania de cerimónia e celebração de ritual de quem tem o outro como dado adquirido e sua propriedade. De nomear e tentar estabelecer vínculos e contratos. O amor não se pode vender e não se pode cobrar.
    O amor que se perspectiva deixa de ser amor para transformar-se noutra coisa qualquer.
    xx

    ResponderExcluir