sexta-feira, 24 de abril de 2015

Do imponderável

Você faz vibrar meu coração.
Ouço uma canção não sei aonde,
Uma incrível sensação me consome.
Alguns dão nome, eu não.
Pra que decifrar sentimentos,
O que vem de dentro,
A linguagem dos gestos.
Há Imprecisão na fala,
Há improvável percepção.
Vivenciar, colher as rosas
No final da tarde, é melhor
Que questionar o que
Não tem explicação.

Fábio Murilo, 24.04.2015

38 comentários:

  1. É verdade, pra que tantos questionamentos? Se dão certo, podem iludir, se não dão, frustam-nos. Então deixemos que a vida nos leve... Apenas viver sem grandes ambições ou tentar decifrar enigmas que a própria vida guarda pra ela.
    Beijo grande, amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito, Galega! Captou bem a essência do texto. Beijos!

      Excluir
  2. Canção e Fotografia do imponderável...
    E palavras/poesia também.
    Resta-me "imponderar" a "imponderabiliade" do imponderável que me "imponderou" a alma.

    O imponderável como água na boca?
    Maravilha.

    Meu Olá
    =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Priscila. Interessantíssimo o jogo de palavras, beijos!

      Excluir
  3. Bom dia Fábio
    Gostei do poema e da musica!

    Tenha um sábado feliz
    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Soneto-acróstico

    Do que não se explica, nada a esperar
    Ouvir aquela canção e não saber onde
    Improvável sensação de certo mal estar
    Mexe com algo, que talvez se esconde.

    Para que decifrar esse tal sentimento
    Onde existe visível imprecisão da fala
    Nada no imponderável, nenhum alento
    Deixando rolar, todo o restante se cala.

    E alguns lhe dão nome, por que não?
    Razoável supor que prá tudo há razão
    Átimo de bom senso, nesse perceber.

    Vivenciando sem questionar essa vida
    Estar pois na própria existência inserida
    Logo, muito melhor vamos rosas colher.

    ResponderExcluir
  5. Realmente é inútil questionar o inquestionável. Você tem um estilo bem diferente do meu em fazer poesia. Versos seguidos, estrofe única, muita subjetividade, ..., eu gosto disso, apesar de quase não escrever dessa forma.

    A linguagem dos gestos... ah, a linguagem dos gestos. A mais antiga linguagem, a primogênita, eterna.

    Abraços!

    Meus blogs literários:
    O Poeta e a Madrugada (Contos e Poesia)
    Dark Dreams Project (Contos de suspense e terror)

    ResponderExcluir
  6. O que não tem explicação nunca exige respostas. E porque será que estamos sempre dispostos a arranjar um emaranhado de palavras para justificar o que não precisa de justificação?...Como diz o Almada Negreiros ; "Só o mistério chega inteiro ao fim", e é essa imponderabilidade que fascina.
    Muito bom, Fábio. E a música, também.
    Bom fim de semana!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Só o mistério chega inteiro ao fim", muito bom! Precisa como sempre Laura.

      Excluir
  7. Respostas
    1. Também acho, Marcos. Bom é deixar as coisas acontecerem, não forçar a barra. Abraços!

      Excluir
  8. Explicação não teria.
    Como explicar um sentimento tão grande assim... ?
    Sentimento que não exige nada em troca
    Apenas é feliz por existir.
    Cantado em versos
    Expresso em poemas
    Indecifrável amor ao que leem
    Guardado a sete chaves
    Protegido pelo coração
    adorável sensação.

    Belo poema amigo Fábio, muito sensível... a música é linda... Aplausos!


    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Fê. Obrigado. Comentário inspirado, feitos de coração. Beijos!

      Excluir
  9. Isso chama-se AMOR, Fábio.
    Muito lindo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Beijinhos um resto de Domingo Feliz

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  11. Lindos poesia e música ( amo as músicas do Coldplay ) Fábio! Ótima escolha!
    Como sempre tudo que você posta é de muito bom gosto!
    Tenhas uma bela tarde!!!

    Beijos mil

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. O ser humano, inclusive eu, às vezes, têm a péssima mania de racionalizar tudo, talvez seja meu lado exatas ecoando no fundo da minha mente inconveniente.
    Fato é que sua poesia é formidável ao focar a inutilidade de explicar certos sentimentos, sensações, emoções... Talvez seja por isso que você prefira a poesia do que a prosa Fábio, por ser uma pessoa de uma sensibilidade ímpar e de uma capacidade de abstração rara.

    Curioso que essa versão da música do Coldplay combina mais com a identidade musical da banda do que a versão original deles próprios, que é demasiadamente eletrônica e destoante da essência da banda. Show de bola essa versão!

    Abraços amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre soberbo em seus comentários, Victor. E obrigado pelos elogios a minha pessoa, bom saber por quem olha de fora, serve como um termômetro, para traçar um parâmetro, deixou-me lisonjeado. Abraços, rapaz.

      Excluir
  13. Há sentimentos que não precisam ser decifráveis, precisam ser somente sentidos e vividos, sentidos assim como deu pra sentir em cada linha desse poema.


    Lindo!

    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Ari. Sentimentos, penso, não precisam se explicados, inútil racionalizados, mensurarmos. Bastas serem vividos, ou como diz Clarice Lispector, "Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.", né? Beijos!

      Excluir
  14. Que palavras belas e inspiradoras!
    Há momentos que realmente possuem tal inefável beleza.. que talvez, somente podem ser descritos em poesia.

    Tenha uma boa semana, Fábio
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elegante Vane, teu nome é Vanessa? Claro deveria supor, rs... Comentário inspirado... Abraços! Obrigado.

      Excluir
  15. Colher rosas num final de tarde já diz muito sobre sentimentos e emoções... Apenas sentir, nada mais é preciso!
    Que belo poema, meu querido!
    Estou voltando, meu amigo! E agradecendo pelos votos e reflexão feitos no meu espaço deixo um beijo no teu coração, um sorriso no olhar e uma estrela para iluminar ainda mais essa tua alma tão bonita.
    Com carinho,
    Helena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, tava sentindo tua falta aqui, teus comentários carinhosos, Helena. Bom que tenha voltado. Beijos!

      Excluir
  16. Boa tarde Fábio.. quando mais tentamos entender e explicar mais a gente complica o que flui ao natural na vida.. abraços poeta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa, Samuel. Pois é , é tudo isso, pura verdade. Abraçõs.

      Excluir
  17. Ah, o poder do amor! Como é bom sentir toda essa sensação.
    Amei a poesia e a música também ;)
    Abraços Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderExcluir
  18. Bom dia, Murilo. Os questionamentos fazem parte da alma do ser humano, não tem jeito.
    A pessoa mais liberta de si, questiona lá no fundo.
    Quando o sentimento de paixão, encantamento, amor ou desejo brotar em nosso coração, bom mesmo é vivenciar sem culpa, mas nem sempre o destino nos permite.
    Podendo, demos asas ao sentir.
    Tenha um fim de semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "A pessoa mais liberta de si, questiona lá no fundo.", gostei disso, Pat. Obrigado. Beijos!

      Excluir
  19. Olá Murilo, depois de um período de ausência, aqui estou eu a matar saudades da blogosfera.
    Gostei muito do teu poema. Não vale a pena questionar o inquestionável, pois não existe razão para o amor.
    Como dizia o Poeta " O amor tem razões que a razão desconhece"

    Abraço amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cristina! Saudades de tu. Obrigado pela visita e inteligente comentário. Olha, te ausentes mais não, tá? rs. Abraços!

      Excluir