quinta-feira, 20 de abril de 2017

Nuances e Meandros


A solidão agora não é tão sólida, como antes,
Não têm a casca de rinoceronte das horas.
Não é tão calcária, ardor assoprado.
Afago, mormaço, uma tênue sofreguidão,
Suportável, respingo de chuva, água morna,
Luva destinada, inexoravelmente, a mão.

E tua privação é uma ausência disfarçada,
Deslocada pelo bater das asas de um pássaro.
Quase companhia, diria, de fato e direito,
Um estar próximo sem precisar tá junto.
Estar mais junto que muito acompanhado.
  
Fábio Murilo, 20.04.2017

6 comentários:

  1. Muito bonito! Adorei!

    Bom fim de semana. Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Um poema que fala sobre uma solidão não tão sólida,mas faz parte de um sútil sofrer.
    É o que entendi Fábio Murilo.
    Lindo.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  3. Das experiências plenas... que só nascem de quem, de certa forma, já conhece bem a solidão. Há pessoas solitárias para amar, apesar da companhia ser o ato supremo desse amor. As vezes a sós conseguimos dar o mais puro da expressão de nós mesmos, já que aprendemos a controlar aquele desejo egoísta de invadir e corromper o ser/estar do outro...Tá, podemos até perceber a solidão que gera a essencialidade do amar (e de que outra forma poderia ser?), mas sempre com o conhecimento claro de que é a companhia do outro que faz esse amor se revelar.

    É bom se sentir acompanhado pela presença ansiada na solidão do dia a dia. Contornando relevos na simplicidade da rotina que carregam a forma desse "estar mais junto do que muito acompanhado."

    Não é clichê saber que realmente para os que se amam não existe distâncias. Hoje eu sei mesmo na experiência que não é clichê.

    Meu Olá.
    Parece que foi escrito na pause de um suspiro que se dá para lá da visão da janela e das esferográficas espalhadas na mesa...

    ResponderExcluir
  4. Um estar próximo sem precisar tá junto.
    Estar mais junto que muito acompanhado.

    Seja fraca ou intensa, deve ser uma sensação de abandono. Deve doer muito. Peço aos céus que me poupe disso.
    Beijo, Fábio, bom feriadão.

    ResponderExcluir
  5. Olá Fábio,

    Bom quando a solidão se ameniza e deixa de machucar o coração, passando a ser suportável e leve como o respingo da chuva.
    Melhor ainda quando a falta se torna apenas "ausência disfarçada" ou "Um estar próximo sem precisar tá junto/Estar mais junto que muito acompanhado".
    Um lindo poema, além de muito original.

    Ótimo final de semana!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Quando assim se sente, é porque o vazio da presença física é preenchido pela força do amor.
    Belíssimo poema
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir