sexta-feira, 12 de maio de 2017

A Moça


Lembro de você das raízes, das cicatrizes,
Antes de ser uma estrela no firmamento.
Lembro de você surgida não sei de onde,
Como descida de um bonde de outros tempos,
Com esse jeito educado, de fino trato, tato.
Essas maneiras, essas sutilezas, atenções,
Intenções, gentilezas, modos de princesa.

Candura, encanto de criatura, doce e delicada,
Graça nos passos, compassos de valsa.
Meu verbo nunca retornando tão fácil,
As palavras que eu digo encontrando abrigo,
Lírios desabrochando em solo propício.
Advinda de uma fresta de telha, quem diria,
Que de um raio de sol faria um farol,
Quem estava só convidaria pra festa.
  
 Fábio Murilo, 11.05.2017

13 comentários:

  1. Excelente poema!
    Amei-Parabéns :)


    Beijos e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  2. É uma Deusa!!! Existe na real ou em sonhos?
    Lindo poema!
    Beijo, Fábio!

    ResponderExcluir
  3. Fábio, que belos versos.
    Que o farol, real ou irreal, continue a iluminar a tua procura das palavras.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Que lindo poema!! Cada vez que venho aqui, sempre versos lindos!!
    Tenha um excelente fim de semana!!

    ResponderExcluir
  5. Poeta sensível que você é Fábio,deixa nas palavras uma sensibilidade sentida e profunda.
    Adorei.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  6. Lindeza de poesia, Fabio!
    Uma construção poética de grande beleza, sensibilidade e delicadeza.
    Amei de montão.
    Parabéns!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Falou o eterno apaixonado! Vais mantendo a poesia viva.

    ResponderExcluir
  8. Fábio, achei excelente tua inspiração que conduziu-me ao tempo de faculdade, onde o dever de estudar imperava e sem tempo de namorar, a solidão fazia a gente sonhar demais. Eu sou do tempo do bonde e lembro que da volta da faculdade, entrou uma moça no bonde que me tirou do sério - levantei para ela sentar e não aceitando ficamos ambos a segurar em balaústres distintos emudecidos até ao fim da viagem dela. E essa cena ocorre-me de vez em quando. Hoje, teu poema transportou-me à frustração e à saudade daquele tempo da juventude, onde tudo é belo, pois dizem que na juventude até o demônio era bonito... Parabéns, irmão! Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  9. Sabes, magnífico como você conseguiu mostrar a moça dentro de cada verso, perfumando cada linha, é como poder ouvi-la respirar no seu poema...
    Como você conseguiu fazer isso?
    Ser é uma marca d'água singular, mas confesso que quando vejo olhos tão bons assim para descrever a beleza do observado, penso que é o belo universo interior, compreendido no próprio observador. Sabes como é, só podemos falar do que de certa forma já compreendemos dentro de nós mesmos.

    Meu Olá
    =)

    ResponderExcluir
  10. Meu caro poeta, li e reli seu poema várias vezes... compreendi e senti a essência...
    Coisa linda, viu? Você é de uma sensibilidade impressionante, modos de um gentleman!
    O fundo musical ficou perfeito!
    Um beijo em seu precioso coração!

    ResponderExcluir
  11. Só posso dizer que achei "coisa" boa, tipo ouro...rs
    Amei sua poesia...

    Estou voltando para a blogsfera passeando e deixando meu link nos blogs que sigo...


    Estou repaginando e escrevendo novamente em meu espaço!

    Um prazer estar de volta...

    Bjssss

    https://palavrandoels.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Fábio,

    Poema tão belo, as palavras (en)cantam numa ternura
    neste teu dizer poético único!
    Aprecie muito, Poeta.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia, Murilo.
    Gostei muito do poema, encantador.
    Ele prendeu lindamente a minha atenção.
    Só li e reli o final para entender melhor.
    O conteúdo está ótimo.
    Parabéns.
    Tenha um excelente final de semana.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir