sexta-feira, 26 de julho de 2013


5 comentários:

  1. Um escritor faz-se na vibração e claridade do dia, com todos os ruídos, com toda a sujidade, usufruindo do que é bom e do que é mau, e acredito muito numa loucura saudável essencial a qualquer acto de criatividade; o sair da norma, o querer absorver tudo...
    O silêncio da noite, a sua escuridão e mistérios, o luar, as estrelas, o fogo dos afectos ajudarão a construir a obra.
    Hemingway não rejeitou a monotonia, fez da sua vida uma aventura permanente, com excessos à mistura. Levou a vida como quis e deixou obra feita.
    Foi bom relembrá-lo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São a sua matéria prima Laura.

      "Vou lançar a teoria do poeta sórdido.
      Poeta sórdido:
      Aquele em cuja poesia há a marca suja da vida.
      Vai um sujeito,
      Saí um sujeito de casa com a roupa de brim branco muito bem engomada, e na primeira esquina passa um caminhão, salpica-lhe o paletó ou a calça de uma nódoa de lama:
      É a vida

      O poema deve ser como a nódoa no brim:
      Fazer o leitor satisfeito de si dar o desespero".

      (Nova Poética - Manuel Bandeira)

      Excluir
    2. Não conhecia esta teoria do poeta sórdido, mas Manuel Bandeira descreve muito bem o que estávamos falando.
      Já sabia o que era paletó, mas tive que ir ver o que era brim...:-)
      Consigo aprendo sempre alguma coisa, e que bom é aprender todos os dias.

      Excluir