sexta-feira, 26 de julho de 2013

Poema da Ternura Culpada

Desculpe o tédio que se acumula;
O lodo abissal que se enrama;
A ilusão, errônea, de quem ama
E tanto confia na chama,
Cada vez mais branda,
Na cama de todo dia...
A candura que não perdura;
O hábito que criou mau hálito;
O príncipe que virou sapo,
A cinderela que perdeu o encanto,
O conto de fada, que agora enfada.

Fábio Murilo, 29.10.97

49 comentários:

  1. Escreve muito bem, adorei a sua poesia e já esotu seguindo, retribui?
    Vc por acaso usa algum enquadramento de poema como redondilha? nunca sei qual usar...
    lamourmonage.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Samira, passarei no seu blog com certeza. Não eu não emprego nenhum método de metrificação, fiz intuitivamente, só tá rimado só. Mas conheço um colega Samuel, que você pode perguntar isso a ele entende, faz sonetos: http://lapidandoversos.blogspot.com.br/,foi ele que me passou esse link: http://sonetos.com.br/.

      Excluir
  2. A poesia ficou linda! Uau, adorei a forma como você usa as rimas, é bem ritmado, como uma música...
    Acho que no fim, todas coisas levam à uma sensação de cansaço, de desilusão. Mas é só saber passar além disso...
    Parabéns, cara!

    Abraços!

    http://pecasdeoito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Felipe. É mesmo eu tava reparando isso hoje, tô meio repetitivo, meio "Deprê", (rs...) mais isso, se observar as datas, são períodos diferentes. Mas inspiração é assim mesmo, nem sempre a gente escrever quando quer, sobre o que quer. Você ainda é novinho, tá numa fase bonita da vida, aproveite. Com o tempo vêm as cobranças, as responsabilidades, as pressões, as tensões do mundo adulto. Ai a gente fica meio assim sisudo. Aproveita então.

      Excluir
  3. "A candura que não perdura;
    O hábito que criou mau hálito;
    O príncipe que virou sapo,
    A Cinderela que perdeu o encanto,
    O conto de fada, que agora enfada."

    Parece que com o passar do tempo, vamos perdendo a graça pela vida, ela se torna agridoce e depois sem sal e nem açúcar.

    Adorei Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não generalizei, falei só dos relacionamentos amorosos, que se desgastam com o tempo, com o final dos mistérios, o outro totalmente desvendado, previsível. Ai vira rotina, apatia, antipatia, solidão a dois. Tem gente que se separa, outros não, por conveniência, talvez,cada um tem sua razão. E sempre se pode recomeçar a vida, o encanto da primeira chama, o frio na barriga e essas coisas gostosas da paixão, não importa a idade, “adolescerão”. Obrigado Srª Nathalia.

      Excluir
  4. Nossa, que poesia bonita e realmente é bem ritmada de um jeito maravilhosamente bom. Até imaginei alguém recitando, acabei imaginando até o cenário, HAHAHA. É muito bonita e dá pra se identificar até demais, enfim, parabéns!
    Bom fim de semana.
    http://literallypitseleh.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Schrotz, parece a Marilyn, você é uma simpatia.

      Excluir
  5. Muito bom seu texto Fábio (opss.. aqui é outro Fábio falando rsrs) escreve muito bem
    http://fabiolucas92.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Confiar numa chama que não é ateada forte e regularmente é uma ilusão das grandes.
    Como eu conheço bem essa história do "príncipe que virou sapo", e da "cinderela que perdeu o encanto", ou que talvez nunca o tivesse tido....Vai-se morrendo de tédio um pouco todos os dias quando isso acontece. Devagar, devagar...
    Os seus poemas não são, contudo, uma ilusão. São de uma realidade maravilhosa que adoro ler. Acho que já disse que você escreve muito bem, mas volto a dizer.
    Obrigada Fábio por mais este belo poema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é a delicadeza em pessoa, Laura. Não tenho o que acrescentar ao seu comentário, disse tudo e mais alguma coisa, perfeito, de uma lucidez impar. "... ou que talvez nunca o tivesse tido.... Vai-se morrendo de tédio um pouco todos os dias quando isso acontece. Devagar, devagar...", essa calou fundo. Sinto-me honrado com os elogios, poetiza maior.

      Excluir
    2. Você merece todos os elogios, Fábio. Todos.

      Excluir
  7. Boa tarde Fabio... mais uma bela poesia.. com rimas bem definidas.. a rima faz a poesia para mim..mais respeito muito os versos brancos tb. abração e um lindo dia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom tarde Samuel. Tô ligado, sei que você não é preconceituoso (rs...). Continue na sua especialidade, artesão, ourives da palavra, produzindo pelos diamantes.

      Excluir
  8. Sim, sim... métrica intuitiva, rimas "bem definidas" e ritmo marcado. Um poema, para mim, sonoro antes de tudo. Depois me remete a um relacionamento malogrado onde as promessas preferiram descumprir-se. Castelo de areia que o tempo fez ruir... "O conto de fada, que agora enfada."

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É comum André, hoje mais do que nunca, as pessoas mudam, só se conhecem quando estão sobre o mesmo teto. Já vi dizer que já se podem precisar, cientificamente, o tempo de uma paixão, dois anos em media. É depois vem o amor desmistificado, a aceitação do outro como ele é, sem fantasias, o sexo em segundo plano. "O amor é um truque da paixão". Obrigado pela visita.

      Excluir
  9. "O hábito que criou mau hálito;
    O príncipe que virou sapo,
    A cinderela que perdeu o encanto" adorei! Parabéns pela sensibilidade,Fábio! Seguindo-te.

    A vontade sem idade
    de ler as poesias
    desse blog todo
    em demasia.


    www.amantesdiamantes.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa. Obrigado pelo elogio tão espontâneo. Também passei no seu blog antes de responder, gostei das poesias diretas, fortes e afiados como um corte. Obrigado Priscilla.

      Excluir
  10. Humm Fabio, Fabio aquele que se não vem fica vazio, não tem graça.... Gostei da sua poesia, falar de amor é bom mesmo não tendo principes nem alazões.
    Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada.
    Deixo beijos desenhados com mel e uma semana igual eu vou ter *-*.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah... Desculpe a demora Garota Dourada. A felicidade a gente inventa.

      Excluir
  11. Talvez de todas as poesias que já li aqui até agora, a que foi menos a minha cara. Mas só porque uma coisa não faz meu tipo, não significa que não tenha qualidade rs
    Ótimo poema, como sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, Corpse querida. Augusto dos Anjos também diria:

      "Falas de amor, e eu ouço tudo e calo
      O amor na Humanidade é uma mentira.
      E é por isto que na minha lira
      De amores fúteis poucas vezes falo".

      Tudo é a maneira como se diz as coisas, e você o disse de uma forma clara como é seu jeito, mas respeitando as diferenças, sem ser grosseira. Admiro sua segurança e costumeira coerência. Adoro suas visitas e suas opiniões maduras, espirituosas, seguras, que só enriquecem esse democrático espaço. E viva as diferenças!

      Excluir
  12. Caramba! Não encontro palavras para descrever o quanto seus versos me encantaram! Você tem muuuuito talento garoto, nunca deixe isso de lado!

    Beeijo
    http://miopesanonimos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa... Tudo isso!!! Fiquei encabulado. Obrigado Alice.

      Excluir
  13. Belas e profundas palavras!..
    Parece falar sobre o fato de que, quando se ama alguém, por vezes há o risco de criar-se ilusões.. e depois problemas vem à tona, a realidade. E os encantos quebram-se, nada mais é como outrora foi.. O amor, por vezes, faz-nos cegos.

    Vc escreve muito bem, e suas rimas são muito bem feitas!
    Tenha uma boa semana,
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já ouviu falar na expressão: "No começo tudo são flores", Vane, pois é. Com o tempo todo relacionamento, independente se casamento ou não, muda. As pessoas mudam, não tem culpa necessariamente, é a dinâmica da vida. Acabam-se os mistérios, o outro desvendado completamente, previsível, a atração, o desejo sexual cai consideravelmente, o sexo, forçosamente, e relegado a um segundo plano. Ai depois ninguém sabe... Dizem que é dai que surge o amor. Gosto muito desse videozinho Vane, bem elucidativo, se voltar, confere (link). Obrigado: http://www.youtube.com/watch?v=dwaoK0RiW90

      Excluir
  14. Vim aqui agradecer três coisas, primeiramente, esse poema maravilhoso que eu já tive que elogiar antes, HAHA. E também obrigada pelo comentário no meu blog e agradeço pelo link que você me enviou, pode ter certeza que irei assistir logo e o mérito será seu.
    Ah, continue escrevendo, viu?
    Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é um encanto de pessoa, de uma docilidade incrível. Não tem nada que agradecer, estando ao meu alcance... Será sempre um prazer servi-la, precisando Schrotz (alemãzinha? rs...). Tenha uma Boa Semana também!

      Excluir
  15. Fábio você manda muito bem com as palavras, poesias são seu forte. Continua assim. Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Renato, muito gentil de sua parte.

      Excluir
  16. Muito bom. Meus parabéns!
    Nunca fui boa em fazer poesia, então não posso fazer nada além de admirar suas palavras e talento. Adorei!

    Beijo
    Mariana | Sem querer me intrometer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também fazia nada não. Vi um colega quando tinha a sua idade, que me mostrou um caderninho com poesias de sua autoria, eu muito do "imitão", pensei: se ele faz porque não eu, ai comecei a imita-lo, (rs...). Obrigado Mariana.

      Excluir
  17. "Na cama de todo dia..."

    tudo na vida perde o encanto e uma hora vira tédio. a questão é aprender a renovar ou então aceitar que nada na vida é imutável - as flores murcham e não deixam de nascer, constantemente.

    Abraços e boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, o problema é aprender a renovar. "as flores murcham e não deixam de nascer, constantemente" - Bonito, disse tudo, Coffee-Break.

      Excluir
  18. Obrigado pelo comentário. Esperando por mais uma bela poesia sua. E sobre o texto eu queria dizer que não é real, mas foi baseadas em muitas coisas que vemos não só em filmes, mas também em noticiários, ao nosso redor, na vida real. Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada. Perguntei por causa da riqueza de detalhes. Ai que se revela o artista, na criação. Sexta-feira tem mais. Até.

      Excluir
  19. Um conto de fada que enfada, é barra pesada. Mas um conto de fada é sempre um conto de fada, como ele não há nada! Meu abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É. Normalmente, com o tempo, virá conto do vigário JFS. (rs...). Concordo. Bom é se tivesse sempre aquele clássico final: E viveram felizes para sempre. Prevalece mais o de Vinicius: "... eterno enquanto dure". Valeu!

      Excluir
  20. É triste ,mas verdadeiro .A vida tem seus desencantos ,e talvez se fosse tudo simples como nos contos de fadas ,não teria graça .Depois ,sempre há outras cinderelas e outros príncipes ,ainda bem !
    Gostei do poema .Seguirei seu blog ,e deixarei o meu .
    http://poemadecadadia.blogspot.com.br

    ps:amei a citação do perfil ,Fernando Pessoa é um grande poeta .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida é uma coisa dinâmica. Como você falou, se fosse uma ciência exata não teria graça. É, Fernando Pessoa junto com Carlos Drummond são os meus poetas preferidos, mesmo eu sendo da terra de Manuel Bandeira. Obrigado Laila, passarei em seu blog.

      Excluir
  21. 1997! Ano em que a minha irmãzinha nasceu.
    Gostei principalmente da frase: "O lodo abissal que se enrama", imaginei uma relação não mais cultivada como antes, igual a um jardim esquecido.

    Blog Bruna Morgan|Universo em bolha de tinta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imaginou bem! também gostei do seu "jardim esquecido", tipo um recanto úmido, mato crescido, abandonado, musgo nas paredes em ruínas.Imagem interessante você formou Bruna. Obrigado.

      Excluir
  22. Amei sua poesia, você escreve muito bem. É bom encontrar pessoas que ainda se interessam por poesias.
    Beijo
    vitoriajordan.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Vitória. Nome motivante e inspirador. Em relação a poesia, eu também tava meio pessimista em relação a isso quando fiz esse blog, viu o nome, é tanta gente fazendo e praticando, ainda bem!

      Excluir
  23. Olá Fábio, mais uma vez a sua poesia me toca. Poema da Ternura Culpada... Percebo bem os “contos de fada” perdendo seu encanto no cotidiano da vida, mas acredito que isso se dá com todo mundo que ama ou amou e você conseguiu passar uma tristeza profunda, não sei se é pelos meus olhos que o leem, mas que você conseguiu, você conseguiu...
    És mais que ótimo!
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falaste bem, Amores vem e vão. "De permanente só as mudanças". Certo quem tá mesmo, como eu citei anteriormente, é Vinicius de Moraes: "Que não seja imortal posto que é chama(cada vez mais branda), mas que seja infinito enquanto dure". Obrigado Nato pelos gentil elogio, "não sou poeta, faço versos".

      Excluir
  24. Exatamente isso, nossos hábitos virando mau hálito, às vezes temos que renovar o ar mesmo, abrir a janela... Eu tenho tentado evitar as madrugadas um pouco, e a mesma janela, mas sabe como é, velhos hábitos morrem lentamente! rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sumido filosofo?! Cara sua opinião é preciosa, é indispensável. Engrandece qualquer texto. Obrigado Paulo Renato.

      Excluir