sexta-feira, 4 de abril de 2014

Matutando


Talvez eu quisesse apenas 
Ter os dedos calejados e rudes,
Pela faina diária no trato da terra
Em algum lugar distante.

Ignorante de toda ciência...
Sem ao menos um rádio de pilha;
Da cidade muitas milhas.

Ouvindo só o mungido do gado;
Dormir acalentado 
Pelo coaxar dos sapos 

Sob as luzes dos pirilampos.
Acordar com o canto dos galos
Anunciando a alvorada
De canto a canto.

Como um bicho brabo no cercado
Olhar conformado o limitado espaço
Sem susto, nem espanto.
Como que anestesiado, viver recatado,
Na monotonia do meu recanto.

Fábio Murilo, 12.09.2002

46 comentários:

  1. Frequentemente penso nisso Fábio, e gosto de imaginar como seria uma vida assim... Não sei se é possível pra quem já viveu na cidade por tanto tempo, mas é bom imaginar que seja possível. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A quanto tempo, Rapaz! É essa é uma fantasia corriqueira, nossas Passargadas, nossas utopias. Bem pensado, para nos urbanoides seria possível viver assim? Compus num momento de tensão e preocupações existenciais e urbanas, pequeno devaneio. Apareça mais vezes e abrilhantei esse nosso espaço com seus comentários cultos e inteligentes. Obrigado.

      Excluir
  2. Em muitos dias tenho esse querer. Mas
    parece não ter mais algo ou um lugar . Mesmo assim, meus pensamentos
    levariam todas suas malas cheias de inquietações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo o que disse menina! Você comentou poetisando, notou? Obrigado.

      Excluir
  3. Bom dia Fábio.. não é diferente do que penso.. gostaria dum cantinho tipo a casa do Hagrid do harry potter.. ainda terei algo daquele tipo.. muito belos os teus versos.. lindo dia

    ResponderExcluir
  4. Eita vida boa! Mas, a alma é inquieta, indomável, insaciável e quer muito mais...
    Fábio, beijo e bom dia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também, rs... Só eu mesmo Shirley, sou o estresse em pessoa, agora mesmo enquanto digito estou estressado. Talvez aguentasse nessa paisagem bucólica uma semana, no máximo. No dia que compus desejei um pouco, aqui na cidade tudo é tão complicado, só isso. Obrigado.

      Excluir
  5. Existem monotonias boas. Eu quereria tudo isso, mas levaria o rádio a pilhas e a sensação de um espaço ilimitado. Eu gostaria de uma monotonia assim...:-) Dispensava de bom grado o rebuliço das grandes cidades. A questão é que eu quero isso quando já conheço o oposto...Será que o quereria se tivesse vivido sempre assim?...
    Buscamos a paz fora de nós, o que pode ajudar muito, mas a paz só pode mesmo ser encontrada dentro de nós.
    Um dos teus grandes poemas; com um belo sabor a longe.
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será Laura que a monotonia é boa? Só se fosse anestesiado, rs... Interessante sua colocação, me lembrou um documentário sobre uma ilha nossa, Fernando de Noronha, considerada por nos do continente um paraíso, onde alguns ilhéus entrevistados diziam já não aguentar tanta tranquilidade. Sonhavam com o continente, shoppings, cinemas, clubes e tanta outras comodidades.

      Excluir
  6. Boa noite, Fábio. Talvez esse querer solitário fizesse bem por uns momentos, mas não para sempre.
    Todos nós precisamos sair da solidão do mato, não apenas olhar as estrelas e conversar com os animais, precisamos de gente ao nosso lado, mas pessoas que se doem, se entreguem, e conosco possam fazer uma história acontecer.
    A rebeldia e o isolamento não são soluções para problema algum nessa nossa existência conturbada.
    Muito bom o poema!
    Parabéns.
    Tenha um fim de semana de paz!
    Beijos na alma!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Patricia, talvez. Mas tudo é questão de costume. Quem já nasceu na roça, não olha esse ambiente com tanta estranheza. Obrigado pela visita.

      Excluir
  7. Olá Fábio!
    Cheguei aqui, através do blogue da Laura Santos. E não pude deixar de me impressionar com o tamanho da tua alma e com a imensidão da tua poesia.
    O nosso espaço é ilimitado, pelo sentir do nosso coração e pelo que os nossos olhos conseguem vislumbrar no horizonte. Temos espaço que não acaba nunca.
    No bulício das cidades o teu espaço fica confinado, a tua liberdade comprometida, os teus sentimentos baralhados, e, torna-se muito mais difícil olhares para dentro de ti e expandires-te...
    Crê-me que te digo a verdade. Não imaginas como seria precioso para mim ,ter esse contacto com a natureza, com o que é puro, com o que é real...

    Adorei este espaço que partilhas e vou juntar-me aos teus seguidores.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cristina. Veio através da querida poetisa Laura Santos, que bom, sinto-me honrado. Obrigado pelo precioso comentário e gentileza da visita.

      Excluir
  8. Como eu queria um pouco do que você escreveu. Confesso não saber como viver nessa atmosfera por mais de uns meses, gosto de pessoas. E partindo do seu belíssimo poema (muito belo realmente, meu caro) eu idealizaria levar mais algumas coisa e algumas pessoas. u.u Posso né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, claro, Nato, pode levar quem queira para preencher o paraíso. Obrigado.

      Excluir
  9. Bom dia Fábio

    Maravilhosa poesia, adorei

    Tenha um optimo Domingo

    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom Dia, Cidália! Ótimo domingo pra você também! Obrigado!

      Excluir
  10. Querido acho que todos quer uma vida
    dessa, mas sair da solidão é viver melhor
    Gostei já sou sua fã

    ღღ¸╭•⊰✿¸.•*ღ ღ¸╭•⊰✿¸.•*
    Tenha um domingo feliz
    bjusss
    Rita!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser Rita, acho insuportável a solidão, mas há os que aparentemente conseguem, não sei como. Beijos!

      Excluir
  11. Adorei o seu poema, hoje vi-me nele, também eu estava precisando de um lugar assim, sem stress, sem corridas, apenas estando em plena sintonia com a natureza. Obrigado por este momento.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito, Maria Rodrigues, estava exatamente assim quando me ocorreu a inspiração. Sentiu o drama? rs... Eu que agradeço, beijos!!!

      Excluir
  12. Mas é claro que temos momentos na vida que a vontade é seguir seu poema, ficar em contato com a natureza, numa casa de campo, com a certeza de paz, nos limites do corpo e nada mais! “Uma casa de campo”, cantada pela Elis Regina, lembra?
    Renovar energia, esquecer da cidade, dos incômodos, do estresse, das farpas e sentir verdadeiramente a vida. Tudo isso, a meu ver, esse contato saudável com a terra, com os animais e o afastamento da cidade, ficando em nosso recanto... é só lucro!

    Belo poema, menino de ouro!
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Tais Luso, eu tava só esperando que alguém citasse essa famosa musica cantada pela Elis Regina, um clássico da MPB. Embora eu seja essencialmente urbano, faria muito bem, com certeza, esse contato. Beijos!

      Excluir
  13. Olá meu poeta e amigo Fabio Murilo, faz algum tempo estava eu e um amigo nos tempos da faculdade nos queixando da falta que tinhamos, falta mesmo, falta de dinheiro e as vontade de ter as tecnologias que estavam aí, e nós sem nenhum, então vinham horas bucólicas e desejavamos ser este teu poema..."Ignorante de toda ciência..."
    Ocorreu com outra amiga também, a necessidade de não termos consciência, querer-mos a ignorância para ser feliz, como achávamos que eram os 'alienados', mas logo ficávamos só na canção mesmo, de preferência cantada pela Elis...foram dois momentos que teu poema me trouxe, lembrei de duas pessoas incríveis na minha vida, e só queríamos ser telúricos rs. Obrigado por mais uma pérola de poesia, que me faz tão bem.
    ps. Meu carinho meu respeito e meu abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jair, que bom que o poema lhe fez reportar a esses momentos. Good Times. Legal! Obrigado.

      Excluir
  14. ô coisa boa. O sol é para as flores o que os sorrisos são para a humanidade.
    Assim são as suas poesias no inverso.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Notei que anda bastante inspirada, Garota, tô gostando.

      Excluir
  15. Lindíssimo.

    Eu sou de Portugal e fico sempre feliz quando vejo o carinho que o povo brasileiro tem por Fernando Pessoa (que vi na sua descrição). :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro, Mark! É o meu poeta preferido. Aqui temos grandes poetas como Carlos Drummond de Andrade, o peota brasileiro que mais goza minha predileção e o meu conterrâneo Manuel Bandeira, do movimento Modernista. Também gosto de Augusto dos Anjos, só pra citar os que mais aprecio. Fernando Pessoa é um fenômeno, poeta inigualável, impar! Um caso único na literatura mundial com os seus heterônimos, um poeta multifacetados em vários, vamos dizer assim, cada um com uma personalidade própria, fascinante, genial! Obrigado pela satisfação de sua visita!

      Excluir
  16. oooo coisa lindaa! encantada!

    Boa noite Fábio :)

    ResponderExcluir
  17. Como diria Drummond, eta vida besta, meu Deus!
    e como eu ando necessitando disso, de uma vida besta com tempo para matutar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, as vezes as comodidades, a burocracia, o corre-corre das grandes cidades nos casam, e só queríamos voltar a origens quando tudo era mais simples, bem básico. Obrigado, Anderson.

      Excluir
  18. Se fosse em um campo tao bonito quanto o da foto eu tbm queria!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, Dernier Évolo, campo dos sonhos.

      Excluir
  19. ''Como que anestesiado, viver recatado,
    Na monotonia do meu recanto.''

    Fico demasiadamente maravilhada em te ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há que me da a honra, hábil poetisa Hellen.

      Excluir
  20. Oi, Fábio, como vai?
    Gostei do seu blog, estou te seguindo, voltarei mais vezes.
    Beijos

    ~ http://gicoppola.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Giovanna, pode voltar, figue a vontade.

      Excluir
  21. É como diz um dos personagens de Matrix: "ignorância é uma bênção!"

    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De repente, em certos aspectos, é mesmo! rs... Obrigado, Larissa, beijos!

      Excluir
  22. Quanta paz deve existir numa vida assim... Mas nós que vivemos sempre nessa correria e cercados por tecnologias, será conseguiríamos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que não. Mas ser humano é adaptável, e a circunstancia obriga. Lembrei do personagem do filme O Naufrago.

      Excluir
  23. Depois de ler o poema da vontade mesmo, ao ler consegui visualizar o lugar...a imagem que escolheste tbm é perfeita.
    Gostei muito do seu blog e do jeito que escreve parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Patricia Galis, isso é a essência da criação artística, essa intenção de mexer com a imaginação.

      Excluir