sexta-feira, 25 de abril de 2014

O Sentimento Intruso


De repente, uma agonia,
Um desassossego na vida da gente.
Um medo de perder o que é seu,
Se não, o que deveria ter sido.
Um pulo no escuro, no abismo existencial,
Mas, cuja falta, a existência vazia,
Não teria graça, perderia o sentido.

Uma angustia gratificante,
Uma confusão de sentidos ambíguos,
Paradoxais e desconcertantes.
A gente gosta e se tortura,
Gosta além, até de quem
Não gosta da gente,
Não ama a gente
Do jeito que a gente ama.

Uma sensação inexplicável,
Um contra-senso, um contra ponto.
Que nos incendeia a alma e acalma,
Arde e afaga, morde e alisa.

É brisa, é tempestade; é cedo, é tarde.
É uma confusão, uma excitação no ser.
Mas cuja falta, tornaria a vida sem graça,
Sem razão de ser.
Seria uma monotonia, um deserto,
Um viver por viver,
Um caminhar bisonho,
Um adormecer sem sonho.

Fábio Murilo, 28.02.2014

37 comentários:

  1. O amor é assim Fábio, mesmo que não correspondido algumas vezes, é um sentimento gostoso de se sentir. Alegra a nossa alma, acaricia o nosso coração.
    Nos acalma, nos agita! Entramos em desassossego senão podemos tocar a quem estamos amando.

    ''É brisa, é tempestade; é cedo, é tarde.
    É uma confusão, uma excitação no ser.
    Mas cuja falta, tornaria a vida sem graça,
    Sem razão de ser.
    Seria uma monotonia, um deserto,
    Um viver por viver,
    Um caminhar bisonho,
    Um adormecer sem sonho.''

    Portanto continuemos amando sempre!

    Ameiii o poema, muito bonito!

    Beijos em seu coração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fê, tentei passar uma ideia geral das muitas facetas do sentimento amoroso/paixão: "A gente gosta e se tortura, gosta além, até de quem Não gosta da gente, Não ama a gente do jeito que a gente ama". Do fenômeno do sentimento em abolição na sua forma mais pura. Sentimento é sentimento, não se explica, se sente ou não. Beijos, poetisa romântica.

      Excluir
  2. É a canalização positiva da agressividade, conforme ouvi no sermão do padre Fábio de Melo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso se chama Sublimação, Marcos, quanto a dor, tudo bem, mas sublimar amor, prazer, é suicídio.

      Excluir
  3. Bom dia

    Poema maravilhoso muito bem redigido..perfeito

    Desejo um Fim de semana muito feliz
    Abraço
    **************
    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Fábio.. sempre tem este intruso para atrapalhar ou nos fazer crescer.. nem tudo é ruim, vem para algum aprendizado... abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante encarar a vida assim, espiritualizado Samuel, tudo então fará sentido. Abraços.

      Excluir
  5. Boa tarde Fábio

    Que poesia linda, embora triste, mas são as melhores. Adorei.

    Desejo-te um bom fim de semana.

    beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Cidália, já reparei isso, as coisas mais tristes nos inspiração melhor, não devia ser assim, mas... Obrigado!

      Excluir
  6. Essa confusão de sentimentos nos assalta sempre. Mas, depois passa e a paz , também passageira, se faz presente. Faz parte rs...
    Fábio, beijos e ótimo sábado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Shirley, "Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe", assim falou, um dia, um anonimo filoso popular. Obrigado.

      Excluir
  7. O nosso problema é que nunca nos definimos verdadeiramente; somos uma misturada de sentimentos, às vezes quase opostos que se cruzam e chocam dentro de nós. Amar alguém que não nos ama não é de certa forma um absurdo, uma inconsequência sem sentido?...Pois é, mas acontece, e até esse amor não correspondido pode suscitar-nos alegria, podendo nós ver beleza onde outros só vêem um irremediável contra-senso. Do mal o menos; é melhor amar sem ser amado do que não amar ninguém.
    Somos de tantas cores, de tanto brilho e tanta opacidade, e por isso mesmo, quando estamos aparentemente calmos, poderemos ter dentro de nós essa tempestade de que falas. Em tudo isso reside a magia da vida.
    Um poema belíssimo, com as questões que todos nos colocamos, mas que nem todos conseguimos exprimir desta forma.
    Bom fim de semana, Fábio!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você fez uma autopsia da minha alma, Laura.

      Excluir
    2. Tu é que és um poeta sem ardis que põe a alma a nu...:-))

      Excluir
  8. É o veneno e o antídoto.
    Nada nesse mundo é nosso.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Garota, morei na filosofia. Bonita frase de efeito! Beijos!

      Excluir
  9. A vida é feita de dualidades...e paradoxalmente perfeita.
    O verdadeiro amor é aquele que não tem expectativas, que não espera recompensas, nem sequer se preocupa se é ou não correspondido. Claro que se for, tudo fica perfeito. Ou talvez não. Talvez perdesse a graça e a garra da conquista.
    Ame Fábio, e sinta-se feliz por ser capaz de sentir esse sentimento. Ame e ame-se...o resto virá por acréscimo.
    Quanto ao poema, simplesmente fabuloso...escrito de coração aberto, com alma transparente....
    Abraço e bom Domingo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo e mais alguma coisa, Cristina. Adorei! Bom Domingo pra você também!

      Excluir
  10. Boa tarde, Fábio. Nem sempre o amor está de encontro com o nosso sentir ou o da outra pessoa.
    Amar, não significa que deve esperar correspondência, nem sempre é assim.
    Temos opções, ou aceitamos essa situação contraditória mas ao mesmo tempo normal em si, ou tentaremos encontrar o amor em outra pessoa que de igual modo nos ame, ao menos nos faça felizes.
    O importante é não deixar de sonhar, saber que na brevidade da vida estamos para vivenciarmos o bom e o ruim, inevitável.
    Sejamos corajosos na nossa travessia, que um dia, o amor irá nos sorrir!
    Fique com Deus e bela semana de paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Pat, não devemos fazer expectativas, e, com maturidade, encarar essas coisas, que como disse, muito bem a Bandys , na verdade, ninguém é de ninguém. Sós, nascemos, sós , morreremos. Nem nossa sombra é verdadeiramente nossa, pois até ela, nos abandona no escuro. Será muito egoísmo, muita arrogância pretender o outro como um pássaro na gaiola ao nosso bel prazer. O outro tem sua individualidade, suas peculiaridades. Devemos nos bastar primeiro, ser inteiro. E que, a companhia do outro, seja uma opção, um acréscimo, não um complemento. Nunca uma propriedade, um troféu, obrigatoriamente, "uma conquista”. Puramente tenhamos a satisfação de sua companhia, sem rótulos, nem condição. Obrigado pela visita.

      Excluir
  11. Não existe tema mais infinito e difícil do que os sentimentos humanos. E quanto mais falamos, mais temos o que falar. E nunca vamos conseguir definir ou organizar o que não tem ordem no nosso coração.

    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Ambiguidade de sentimentos, essa é a certeza que estamos vivos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, se olharmos desselado... Tudo depende do prisma.

      Excluir
  13. Ah, esse gostar que sufoca e agoniza...

    Beijos,
    Blog | Youtube

    ResponderExcluir
  14. Oi, Fábio,
    Que loucura é o ser humano. Montamos pra nós e todos os habitantes do planeta um burburinho de sentimentos de insatisfações; de amores, de rancores, de ódio; de insegurança, de paixão e compaixão...
    Ao mesmo tempo que os humanos trucidam, também podem ter gestos de generosidade máxima. E isso no dia a dia é enlouquecedor, pois nos deparamos com todos esses sentimentos várias vezes. Todos esses sentimentos estão em nós, é estarrecedor!
    Você escreveu com muita classe e sabedoria o tanto que temos para administrar...
    Beijos, Fábio, excelente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leitura interessante, Tais Luso, obrigado.

      Excluir
  15. Muito bom, Fábio!
    Realmente precisamos de desafios em nossa vida, mesmo que eles nos tragam decepções posteriores, a vida é assim...
    Belíssima poesia!
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  16. E é assim que se vive sem a pessoa que se ama.

    ResponderExcluir
  17. '' A gente gosta e se tortura,
    Gosta além, até de quem
    Não gosta da gente,
    Não ama a gente
    Do jeito que a gente ama.''

    É isso, confesso minha atração pelo unilateral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, jovem poetisa. Vário é o amor. Obrigado.

      Excluir