sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Digo do Amor


Quisera o amor um belo edifício
Em frente ao mar, o ato de amar
Sem artifícios, nem complicação.
O amor... É inútil enquadra-lo
Num conjunto de regras, padrão,
        Amor assim degenera, vira prisão.        

Digo do amor enquanto paixão,
Mendigos que somos de afeto.
Amor sem paixão é morto,
Deserto, acomodação, torto.
Dura enquanto perdura o encanto,
Enquanto persiste o espanto,
A furiosa necessidade do outro.
  
Fábio Murilo, 19.08.2015

34 comentários:

  1. Bom dia Fábio
    Fantástico o teu poema! Amei...Parabéns.

    Excelente sábado.
    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Sim, a empolgação é sempre favorável ao amor.

    =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, é fundamental. E o que torna o ser querido único, diferente. Obrigado, Marcos.

      Excluir
  3. Poesia linda e muito verdadeiros os seus versos Fábio, falando do amo...
    Beijos e bom fim de semana a ti!!!

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Belo poema Fábio!
    O amor, o amor, sempre amor, sem ele nada subsiste!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, companheirinha, é verdade. Ah, romântica que só. Obrigado pela visita, visse? Beijos!

      Excluir
  5. Passei um tempo afastado da leitura e agora volto e vejo essa maravilha. Magnífico!
    Acho incrível a forma como você consegue exprimir profundidade em versos tão rasos. Uma simplicidade na escrita que muitas vezes esconde a dimensão da beleza.
    Parabéns, Murilo!

    O Poeta e a Madrugada (Contos e Poesia)
    Dark Dreams Project (Contos de suspense e terror)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A quanto tempo. É isso percebeste direitinho. Procuro mais valorizar o máximo as imagens. Como diz o ditado, que talvez valha também aqui: "Uma imagem vale mais que mil palavras", por ai. Obrigado pela força, Dênis.

      Excluir
  6. Você poetisa o amor maravilhosamente bem!
    Lindo!

    bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ariana. E na prosa tu é imbatível. Intensa e verdadeira. Extremamente reflexiva. Beijos!

      Excluir
  7. Tomei a liberdade de juntar o que chamou muito minha atenção no último verso:

    Mendigos que somos de afeto.
    A furiosa necessidade do outro.

    Isso dá tanto o que pensar! Cada um tem um modo de interpretação e eu grifei (nas entrelinhas) o que me chamou a a tenção por ser tão presente, tão verdadeiro e até prejudicial num relacionamento.
    Belo poema, Fábio!

    ResponderExcluir
  8. Gostei bastante do poema. Não sabia o que esperar dele quando vi a foto, mas achei bom. "Mendigos que somos de afeto" foi minha parte favorita.
    Você tem talento!

    Beijos,
    Bi.

    - www.naogostodeunicornios.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, moça, Bi. Pela gentileza das palavras e da visita. Beijos!

      Excluir
  9. Talvez seja por tentar encontrar a "fórmula secreta", por seguir padrões, por se espelhar em outros casais, que a maioria dos casos de amor acabam da forma mais triste o possível.
    Adorei a tua expressão sobre "sermos mendigos de afeto"! Poxa! Essa é a maior e mais pura verdade. A gente tem um buraco enoooooooooooorme no peito, maior do que todo o resto e eu acho que é nesse buraco que vive o ponto fraco de qualquer pessoa!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa que palavras... Somou horrores, Carolzinha, ao texto. Muito obrigado. Beijos!

      Excluir
  10. moço, seria o amor uma eterna paixão?
    poesia, musica e imagem tudo em sintonia.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Garota, pela generosa apreciação. Beijos!

      Excluir
  11. Lindo, Fabio, me fez suspirar no final... amor e paixão combinados me parecem perfeitos para manter duradouro o sentimento, a necessidade do outro, sem aprisionar, mas por querer estar ao lado do outro por escolha. Abraços!

    ResponderExcluir
  12. OI MURILO!
    O AMOR TEM DE SER LIBERTADOR PARA CONSERVAR O ENCANTO, OU VIRA PRISÃO E MORRE.
    QUE COISA MARAVILHOSA TEU POEMA.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zilani. É mesmo, tenho observado. Obrigado. Abraços.

      Excluir
  13. O amor com o coração vivo (quente), transparente numa bela
    parceria e libertador...
    "O amor... É inútil enquadra-lo
    Num conjunto de regras, padrão.
    Amor assim degenera, uma prisão."
    Muito bom, Fábio!
    Abraço.

    Ps:Pois é conterrâneo, o nosso Oxi é um portal de significados...
    A nossa terrinha têm uma cultura esplêndida!

    ResponderExcluir
  14. Bravo! Bravo! Bravo!

    Retratou o amor como os grandes poetas do Romantismo, mas, ao mesmo tempo, com uma sobriedade moderna, Fábio!

    Meus parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Vitor, vindo de você, que domina tão bem e é hábil nas palavras me deixa muito lisonjeado essas observações. Abraços, cara.

      Excluir
  15. Bonito o seu poema, Fábio.
    Bom mesmo, é um amor sincero e duradouro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. A paixão é avassaladora! O amor é tranquilo,nos trás paz.
    No amor não existe regras.
    Lindíssimo poema!!
    Boa noite.

    ResponderExcluir
  17. A paixão é a pimentinha do amor...
    O amor gostoso é aquele livre, que está junto por querer...
    Linda poesia, menino.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou e disse, Clara Lucia. Obrigado. Beijos!

      Excluir