sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Plenitude


Não sei o que será de mim,
Carrego um jardim comigo.
Tou pleno, ameno, sereno.
Sou um leão rugindo verões
Num eterno domingo.

Não sei o que será de mim
                   Barco a deriva, mar sem fim.                   
Só me importa a canção
Que antes não ouvia
E agora estou a ouvir
No agora que vivo aqui.

Fábio Murilo, 07.11.2015

32 comentários:

  1. Que importa o amanhã, quando se atinge esse patamar, em que se consegue estar tão presente, ao ponto de ouvir a musica da nossa alma??

    A essência, não conhece passado nem futuro....é o presente em toda a sua plenitude !!!

    Gostei muito pois!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Fábio
    Você está num estado de espírito muito bom: pode estar no lugar que quiser sempre feliz
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, Dorli. Afinal não adianta fugir sua mente lhe acompanhara, seus estado de espírito. Beijos!

      Excluir
  3. Como sempre, Maravilhoso!

    Um bom sábado
    beijinhos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Navegar um jardim em serenidade, como se todo o domingo fosse eterno, navegar um mar infinito, sem condições à partida e sem escolha de porto. Navegar apenas o instante.
    Excelente, Fábio!
    Bom fim de semana.
    xx

    ResponderExcluir
  5. Pois é, o centro é a dúvida, belo poema! Quisera eu carregar um jardim dentro de mim, mas que fosse eterno. Até que às vezes carrego, depois murcham; depois voltam esplêndidas, depois se vão... É a eterna busca que não cessa. Só acontecerá quando a vida findar.

    beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Tais, vamos por etapas, rs. A vida tomada aos goles pra não engasgar. Todo mundo é assim "uns dias chovem, outros dias fazem sol", como diz o Chico. Beijos!

      Excluir
  6. Olá Fábio! Tu como sempre com um poema lindo para nos encantar! Amei!!!
    Beijos e boa semana a ti!!!

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Que lindo, Fábio!
    A imagem do jardim foi perfeita para refletir o estado de plenitude versado.
    Delicioso poema.
    E que imagem, hein? Fantástica!

    Feliz semana.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Bonito Fábio. Amei...
    Do jeito k gosto...
    "Não sei o que será de mim... Sem o teu blog!!!"
    DE LA VÉRITÉ

    ResponderExcluir
  9. Que gostosa a sensação que esta poesia passa, ao lembrar das tantas vezes que a vida parece ter uma doce trilha sonora.
    ps: obrigada pelo elogio lá no blog! sabes que só depois que tu falaste que eu percebi o possível significado da lua naquele final, não tinha intenção rs acredito q baixava em mim algum poeta de uma vida passada minha kk
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, Lu, que bom, menina prodígio. Beijos!

      Excluir
  10. É a plenitude de viver o presente.
    Magnifico!
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  11. ... belo poema...

    Gostei de ler-te, Fábio!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Que bom, Fábio, sentir um jardim e uma canção dentro do peito...Nada mau.
    Gostei do poema.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Gostei. Viver em plenitude é para poucos.
    Tantos reclamam tanto da vida e se esquecem
    que a vida é um sopro. um sopro de deus, e que não devemos nunca
    perder essa oportunidade.
    beijos moço.

    ResponderExcluir
  14. Viver plenamente é uma condição daquilo que está completo, inteiro, sem espaço vazio para pensamentos vagos.
    Amei teu blog. Já sou tua seguidora. Me segues também!...
    AbraçO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo, Nidja. Muito obrigado pelos elogios, seja sempre bem vinda, abraços.

      Excluir
  15. Que belo sentir e construção poética:
    "Carrego um jardim comigo.
    Tou pleno, ameno, sereno.
    Sou um leão rugindo verões
    Num eterno domingo."
    Descrita a plenitude, caro Fábio...rsr
    Cada vez mais gosto muito do seu
    espaço de arte poética, viu?
    Abraço de paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, muito obrigado, Suzete, muito amável. Beijos!

      Excluir
  16. Belas e reflexivas palavras.. faz uma bela contemplação do todo indíviduo que em meio à sua jornada pessoal, conseguiu crescer em virtudes e tornar-se mais sábio: suscetível a novos aprendizados sempre, cada dia menos vulnerável, com mais serenidade e sabedoria em sua alma.

    Gostei muitíssimo!!
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente comentário, Vane. Obrigado, abraços!

      Excluir