sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Por Contigência

Toda uma vida consumida
Nessa grande arena
Onde nos digladiamos em luta
Em mutua concorrência:
Galgar íngreme subida
De tão difundida e cobiçada
Ascensão social, aspirando
O que deveria ser o básico.

Toda uma vida alugado,
Vendido, desapropriado
De si próprio,
Entre o uso e o desuso
Nada mais que um parafuso.

Fábio Murilo, 26.11.198...

34 comentários:

  1. Fábio,

    Uma visão trágica do mundo. Se depender do mundo, estamos ferrados. Acho que só mesmo a vida interior pode oferecer outra visão.

    abraço
    Marcos

    ResponderExcluir
  2. Cazuza ja dizia:Agora eu vou cantar pros miseráveis
    Que vagam pelo mundo, derrotados
    Pra essas sementes mal plantadas
    Que já nascem com caras de abortadas
    Pras pessoas de alma bem pequena
    Remoendo pequenos problemas
    Querendo sempre aquilo
    Que não têm.
    e assim caminha a humanidade.
    Beijo
    ps: a sua resposta entra como comentario?
    ou seja duplica o numero de comentario:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nãos sei o que se refere. Mas, provoca, chama outro comentário, aproxima. Gosto de interagir, um debate saudável, tudo que soma e contribui, onde que aprendo, alargo meus horizontes. Beijos, Garota Dourada.

      Excluir
  3. Triste realidade à qual muitos, seja por manipulação do sistema ou por uma inversão de valores com outra origem, se apegam...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, a camisa de força, as garras do sistema. Obrigado, Larissa.

      Excluir
  4. "Nada mais que um parafuso", triste e verdadeiro.
    Com sempre, escrevendo muito Fábio.
    Abraços!
    Nato
    http://agoraemdiante.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Nato, é assim, infelizmente. Obrigado, gentil como de costume. Abraços!

      Excluir
  5. Lool, engraçado.. Eu acho que ando perdendo parafusos :-))

    Gostei de ler.


    Bom sábado
    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  6. Excelente poema, Fábio! Com um final de mestre!...
    "Nada mais que um parafuso", uma minúscula peça de uma imensa e fria engrenagem. E contudo, uma peça totalmente descartável. Os parafusos são feitos em série e facilmente substituíveis.
    Adorei!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belíssima conclusão, Laura. Somou! Obrigado!

      Excluir
  7. A luta pela sobrevivência, torna o ser humano, verdadeira máquina e ele esquece o seu lado espiritual, que é o mais importante.
    Muito bom mesmo, Fábio!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Um parafuso. Que visão, Fábio!
    Somos simples parafusos cuja função é simplesmente se manter intacto, fazer o sistema funcionar, continuar de pé. Mas imagine se todos os parafusos espanarem? O robô desmonta. Pena que não temos essa visão no dia a dia. Continuemos a lutar e a matar, dia a dia, um por um de nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A quanto tempo! rs. É mesmo, Carol, seria tão bom esta consciência... O mundo seria outro. Beijos!

      Excluir
  9. Toda uma vida batalhando! Penso nas classes desfavorecidas, pois as outras, o que têm, não chega nunca. E no final, muita luta, muita injustiça, muita desigualdade, crueldade, ganância e diferenciamos apenas naquilo que não tem importância: o luxo. No mais, temos a cara desse coitado aí da foto, todo aparafusado. Um parafuso que saia do lugar é o bastante para um desmonte. Não é?
    Belo seu ponto de vista que conseguiu colocar num pequeno poema - mas belo -, toda a imbecilidade do mundo!
    Aplausos, Fábio! Ótimo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Tais, ótima analise do poema. Beijos!

      Excluir
  10. E como cansa vivenciar isso o tempo todo em um mundo cada vez mais capitalista e menos humanitário.
    Grande obra!
    Abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Evandro, desanimador! Triste! Obrigado, abraços!

      Excluir
  11. Um poema excelente passeando por uma criticidade
    da vida mecanicista e das exigências de fora e dentro
    tolhidas pela máquina do poder das desigualdades
    nada justa...
    "Entre o uso e o desuso
    Nada mais que um parafuso."
    Uma criação poética profunda,
    bela e irônica, ou seja, magistral, Fábio!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muitíssimo da analise, Suzete. Obrigado. Abraços!

      Excluir
  12. Vim deixar meu abraço de boas festas
    desejar mais um ano de realizações, que em 2016
    vc continue assim sempre brilhando
    Bjusss bom natal
    Rita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh, muito obrigado. Sempre cordial, Rita. O mesmo pra você, Boas Festas e um Feliz 2016! Beijos!

      Excluir
  13. BRAVO! Infelizmente tenho que concordar, é completamente irônico e sem sentido lutarmos na nossa sociedade pelo o que deveria ser nos dado sem qualquer valor, a dignidade em ter uma boa vida, afinal, todos somos iguais. BRAVO!

    ACESSO PERMITIDO. ♥
    http://www.acessopermitido.com/

    ResponderExcluir
  14. É a pura verdade, lutas e mais lutas e muitas vezes não conseguimos atingir objetivos.
    Um abraço querido amigo Fabio Murilo e que possamos ter dias felizes e realizadores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, verdadeiramente, uma injustiça, Maria Teresa, mas, não podemos nos entregar. Abraços.

      Excluir
  15. Oi Murilo,
    A vida difícil nos tornamos maquinas esquecemos que somos gente, que é o mai importante.
    Tem resposta pra você lá no meu blog.kkk
    Beijos
    Minicontista2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, vi lá, Dorli, respondi. E obrigado pela visita. Beijos, simpatia de pessoa.

      Excluir