sábado, 2 de julho de 2016

Um Dia Após o Outro


Penso nos jovens que se foram cedo,
Flor entreaberta ainda, quase um botão.
Reflito no ancião, nas dobras da pele, rugas,
Na ausência total de fugas do corpo, prisão.
Antevejo os dias que virão, não vejo.
Inutilidades de horas a contar o tempo,
Ilusão de comando, inútil pretensão.
  

11 comentários:

  1. sempre seguindo e tentando ficar forte.
    abraço profundo.

    ResponderExcluir
  2. Verdade mesmo Murilo qtos jovens
    não consegue viver uma vida, e qtas
    rugas vemos pelos que chegam a velhice
    uns bem outros não..mas Deus é Pai
    Adorei como sempre


    Bom dia de domingo
    Bjusss

    Rita
    *•🍃🌹🍃

    ResponderExcluir
  3. A Vida por vezes é uma desilusão. Mas há que vivê-la- Adorei

    Beijo e um bom Domingo.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Por isso, se precisarmos, pintaremos céus azuis nas paredes da prisão... Me lembrou o Renato Russo cantando: Love In The Afternoon.

    ResponderExcluir
  5. é a vida com suas tristezas, mas também com alegrias
    viver é uma dádiva, e temos que a saber viver e ser feliz
    um poema sentido e forte
    uma boa semana.
    beijo
    :)

    ResponderExcluir
  6. Algumas quedas,arranhões,dores e desatinos para sacudir e ativar nossa estrutura ,atravessando um longo túnel para ver novamente a luz(Sem saber exatamente o tempo da viagem), nem sempre a cura do corpo ,do ser e estar,não há outra forma de aprendizado mais honesta do que simplesmente ter a coragem de viver , sem medo das cicatrizes que estão por vir.
    Entregar-se aos momentos..
    A aprendizagem é base e o ganho......a reflexão em atos traz o pulsar vital.
    Ótima leitura para todos..
    Abraço, Boa tarde!

    ResponderExcluir
  7. São as fases que temos de atravessar, né Fabio? E se quisermos prolongar nosso caminhar, pois é tão bom viver, temos de contar com as dobras, o olho mais opaco, menos força... Mas o ser humano tem grande capacidade de adaptação. E a vida sabe tirar, cada dia um pouquinho...É possível sermos felizes, enquanto mantivermos a autonomia e a lucidez.

    Beijo, amigo!

    ResponderExcluir
  8. OI FÁBIO!
    O HOMEM SE VÊ IMPOTENTE QUANTO AOS COMANDOS DO TEMPO E TAMBÉM ANTE AS CONTINGÊNCIAS DA VIDA, SERIA AI, O MOMENTO DE ENTENDER QUE NÃO É DONO DE NADA QUANDO O "MOMENTO" SE FIZER CONCRETO.
    NOS TRAZES UMA REFLEXÃO DAS MAIS IMPORTANTES.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Fábio,

    Achei muito interessante e original, que o título do poema
    é a resposta da abordagem questionadora sobre o tempo
    na existência, a impotência de não controlar a vida,
    acho que se formos aprendizes da vida, ela fica muito
    mais interessante e com este belo e sábio lema:
    "Um dia após o outro" e viver o presente, "o aqui e o agora"
    da melhor forma!...
    Aprecio muito a tua poética, Poeta!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Lindo! Lindo!
    Há coisas que nem é bom pensar. Melhor mesmo é viver um dia de cada vez, extraindo dele o que há de melhor. Somos mesmos impotentes diante do que virá, já que não temos as rédeas da vida. Saber viver será sempre o melhor aprendizado.
    Linda a música e respectiva letra. Não conhecia e adorei ouvir.

    Ótimo final de semana.

    Abraço, Fábio.

    ResponderExcluir