sábado, 6 de agosto de 2016

A Voz do Morto



O morto não tem honra,
O morto não tem moral,
O morto está livre,
No corpo já não vive.

Não é bom, nem é mal,
Não age, nem interage,
Menos que um vegetal,
Igual a um mineral.

Fadado ao esquecimento,
Como se aqui nunca estivesse passado.
Vários anos apagados no quadro negro,
Desse negro quadro.

Enquanto a vida continua...
Contínua, feito um rio perene.
Versátil, diversificada,
Jamais estagnada,
Morta nem nas poças d’água.
Que mesmo ainda assim há vida,
Na água que não se vê nada.

Fábio Murilo, 24.04.2010

9 comentários:

  1. Que bonito apesar de falar de morte
    Mas é assim mesmo, o orto vive no
    esquecimento, compare com a água que nada ve
    Bom dia de domingo
    Bjusss

    ResponderExcluir
  2. Sempre lindos os teus escritos.

    Beijo e bom Domingo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Morto já não vive mais em um corpo,porém pode viver em outras moradas,portanto fica inerte para os nossos olhos,mas se for como o mar,poderá estar com vida em outro local.
    Assim penso!
    Poema bem reflexivo Fábio Murilo!
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  4. Nossa... maravilhosa reflexão, Fábio! Não modificaria uma vírgula nessa sua postagem. Tudo tão real que arrepia. Parabéns!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. enquanto existe vida, existe esperança!

    abraço.

    ResponderExcluir
  6. Deixar de existir acaba sendo mais triste do que virar uma fotografia e depois virar nada. Retornar ao nada.

    ResponderExcluir
  7. No final todos somos pó, cinza e Nada.
    Excelente!
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  8. Poema excelente!

    Filosofia poética que diz que a vida continua
    mesmo com todos os mortos...
    Parabéns, poeta pernambucano!

    ResponderExcluir
  9. Todos nós estamos fadados ao esquecimento, caro. Alguns, como nós, teimam em deixar algumas marcas escritas de nossa existência, talvez esse seja um bom objetivo de vida. Morte entre letras.

    Um dos mais reflexivos e harmônicos poemas de sua autoria, Fábio. O que não é nada pouco! Que sua voz poética ecoe pelos tempos futuros! Abração!

    ResponderExcluir