sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Ímpar


Não fique séria.
Sérias são as estradas,
O amanhecer na cidade,
A pontualidade
De quem trabalha.

Os tons das fardas,
As coisas inanimadas,
Ressecadas, mantidas
Num vidro de formol.

Ser diferente só te premia,
Como um tesouro
Entre as bijuterias,
Como a cereja do bolo.

Fábio Murilo, 06.10.2017

7 comentários:

  1. Oi Murilo,
    Temos que fazer as coisas que gostamos mesmo que sejam "bizarras"
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  2. Menina, não fiques séria,
    Pois ficar séria seria
    A minha "porca miséria!..."
    Tendo a ti por companhia.

    Os tons de cores das fardas
    São os detalhes apenas
    De como se vestem os guardas.
    São coisas vãs e pequenas.

    Ser diferente premia
    A tal liberdade estranha
    Por ser, às vezes, mania
    E às vezes ser fé tamanha.

    Desculpe sempre a minha brincadeira da releitura, mas o versejador que há em mim, fustiga e faz-me escrever. Gostei de teu acesso de produtividade intenso com qualidade robusta. Estavas meio distante dos versos. Vinha constantemente aqui sem achar nova matéria para comentar e em curto espaço de tempo, deparo-me com dois primores de poemas. Parabéns, amigão! Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo teu lindo poema! Parabéns Fábio Murilo!!

    Beijo, e um óptimo sábado!

    ResponderExcluir
  4. Sim amigo poeta Fábio Murilo,mão vale à pena ficar triste e sim dar bos risadas e você sabe que eu sou assim,bem alegre.rs
    Adorei.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  5. Devemos encarar a vida com alegria.
    Lindíssimo poema.
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  6. Oi, Fábio, não tinha visto esse primor!! Que ritmo, que criação excelente, menino de ouro!
    Aplausos!
    Beijo.

    ResponderExcluir