sexta-feira, 1 de março de 2013

Reunião de Estrelas

Entrem,
Entrem.
Queiram entrar, senhoritas estrelas.
Se hão de ficar a noite espiando pela janela.

É melhor que entrem
Se alguma coisa lhes interessa.
Podem entrar sem receio.
Se alguém perguntar o que é isto no meu quarto
Direi que são vaga-lumes.

Perdoem recebê-las neste traje
Gasto de solidão.
É meu traje de casa.
Não, senhoritas
Isto não é um pedaço de lua.

É minha cama
Cuja brancura é mantida por minha mãe
Vocês, habituadas e se mirarem em águas planas,
Não se assustem se virem verticais
No espelho do guarda-roupa.

Quando eu acender um fósforo
Não pensem que fabrico estrelas.
O lavatório também lhe interessa?
Pois bem, é ai
Que todas as manhãs
Mergulho n’água
A cara tresnoitada.

Oh! Já se vão?
Bem. Até outra noite.
Mas antes de irem embora
Porque não se alinham como letras de
Anúncios luminosos
Enquanto lhes vou ditando nomes desaparecidos?

Depois
Para que lá em cima não notem a hora de chegada,

Perguntem ao meu sonho
Como entrou de mansinho em meus olhos fechados.

Júlio Barrenecha/Tradução Cecília Meireles

Nenhum comentário:

Postar um comentário