sexta-feira, 18 de outubro de 2013

A Emoção

De repente uma bruma fantasmagoria
Encheu o ar de tons de rosa e sons de bolero.
E o velho se sentiu um menino,
Reduzido a ossos, agora a ócios de ilusão.
Desnudo no meio da praça,
Exposto a execração pudica,
Nem havia notado...

É estúpido, ele sabe
Seu coração é que não.
E quem o viu contente,
Rindo inadvertidamente pro mundo
E prá toda gente, docemente,
Como a zombar de suas dores,
Se achando incomodado,
Pegou-o e o pregou-o na cruz,
E deu seu coração aos urubus.

Fábio, 19.09.2013.

36 comentários:

  1. OLÁ !!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    PRIMEIRA VISITA,CURIOSIDADE ,EMOÇÃO,ALEGRIA POR CONQUISTAR O AMIGO.
    A POESIA TÁ MORRENDO,MAS VC FABIO MURILO ESTÁ DANDO VIDA PARA QUEM ESTÁ SE INDO...
    PRIMEIRO POEMA QUE LEIO AQUI,CHEIO DE EMOÇÃO QUE ME FAZ VER QUE NOS VERSOS MORA A RIMA ...
    BJS DE AGRADECIMENTO POR ME DAR O DIREITO DE SER SEU SEGUIDOR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Severa Cabral, muito gentil, seja bem vinda, obrigado.

      Excluir
  2. Gostei de ler- te amigo Fábio, belo poema !

    Beijos !

    Fernanda Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nanda! Obrigado pela visita e pelo elogio.

      Excluir
  3. Bom dia amigo Fabio.. a emoção se faz em tudo e todos.. qualquer coisa que estes olhos possam ver e o coração sentir já libera este sentimento dentro de nós.. um excelente dia pra vc e grato pela visita.. pois é rsrs dama , donzela, tudo eu transformo em versos. sou meio doido mesmo mas no bom caminho até sempre amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Samuel! De poetas e loucos todos nós temos um pouco (rs...). Que nada você é muito lúcido. O rei dos sonetos. Obrigado.

      Excluir
  4. Este poema até me arrepiou, Fábio!...
    Esse velho reduzido a ossos, no fundo pode significar qualquer um de nós no futuro. Todos sabemos que ele não é estúpido, mas porque terá ele essa espécie de "atrevimento" ao mostrar um corpo nu já sem beleza.... E o que é beleza?
    A ousadia de comportamentos parece ser apenas permitida aos jovens e "perfeitos", mas abençoados os que ultrapassam as suas pequenas mortes em vida, iludindo e zombando, como você diz, das próprias dores.
    Não terá a imperfeição física direito a um coração, a sentir e guardar dentro de si esse menino dentro dele?...
    Foi assim que li o seu belo poema, Fábio. Um poema que sobretudo me fez reflectir.
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A beleza Laura, "A beleza é o nome de qualquer coisa que não existe
      Que eu dou às coisas em troca do agrado que me dão", não sei que foi quem disse isso (rs...). Leu bem demais! Ultrapassou o entendimento do poema. Muitíssimo Obrigado.

      Excluir
    2. Essa citação é muito bonita, independentemente de quem a tenha proferido.

      Excluir
    3. Foi uma certa Pessoa chamada Fernando (rs...).

      Excluir
    4. Sério?!...não sabia mesmo de quem era...:-)

      Excluir
    5. Ah, Laura, deixa de charminho (rs....).

      Excluir
  5. arrasou com esse poema, quando vc diz que
    a poesia está morrendo..entro aqui e vejo td
    de mais belo...belas palavras um post divino
    Abraços e bom final de semana

    Bjuss

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Gentil Rita. Sempre cordial. É mesmo achava. Hoje reconheço: a poesia está mais viva que nunca, feliz engano.

      Excluir
  6. Olá Fábio
    Que bela poesia!.. escreveste de uma maneira tão sutil e poética.. compreendi que é sobre um velho cujo coração não envelheceu, e por vezes sente-se ainda um menino, mesmo com esta lembrança do que outrora foi estando oculta por um semblante corroído pelo tempo. Isso é algo realmente inspirador..!
    É sempre bom visitar seu blog.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vane. Muito inspiradora são suas palavras, compreendeste bem. Que difere o velho do menino é só um rotulo e as limitações obviamente do tempo. Os dois continuam ainda com mesmos sentimentos e anseios da carne. O corpo envelhece, o espírito não. Eis a questão, o resto e preconceito. Obrigado pela visita.

      Excluir
  7. Oi Fabio,
    Voltando devagar, mas voltando. Quem ei das
    proprias dores alcançou um estagio fundamental
    pra viver bem. Gostei. Essa é nova neh?
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisa pressa não fiel seguidora, venha devagarinho, pela sombra (rs...). Notaste a data? Bela conclusão do poema, é isso ai. obrigado Garota Dourada.

      Excluir
  8. Deste o melhor título possível: A emoção!
    A fanopeia gritante do velho nu! Uma certa liberdade... o vejo de braços abertos, correndo, depois crucificado como um cristo aos olhos dos homens (doce metáfora esse teu poema). Seremos (ou somos) como o velho? Não sei...
    Abraço!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa Nato. Sem desmerecer outros colegas, todo comentário e louvavelmente, mas você captou com precisão a mensagem do poema, é isso mesmo, exatamente, na mosca. Parabéns.

      Excluir
  9. Hola Fabio

    Gracias por visitar mi escondite y dejar tu cariñoso comentario

    Soy artesana ante todo pero amo la poesia..Mi abuelo era pintor y poeta canario y desde muy pequeña le escuchaba recitar sus poemas..Sin escuela ni enseñanzas,,Todo salia de su corazón al igual que tú escribes y transmites tus sentimientos al lector

    Gracias por compartir
    Con cariño Victoria

    ResponderExcluir
  10. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Antonio Batalha pelas palavras elogiosas. Pode voltar amigo, me sentirei honrado. Saúde e Paz também.

      Excluir
  11. Olá, Fábio!

    Tudo bem?

    Não estou postando, nem comentando, por razões profissionais, mas estou, ou melhor, estive lendo seu poema.

    Te desejo uma boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro Luz, a consideração e o carinho da presença são o mais importante. Obrigado.

      Excluir
  12. Olá poeta, por vezes tua poesia me é desconsertante, mas instigante, e bela e poética, e tão real dentro da vida, que não sei o limite da poesia e a narração de uma existência...estamos todos nessa. Tua poesia não morre, renasce a cada poema que leio aqui, a cada pontada em meu peito, provocado por tuas palavras, os sentidos que impreguina nelas, faz sentido para mim, de alguma forma, de algum ângulo. Gosto do teu poetar, me parece um menino tão sério às vezes, mas ma maior parte da vezes, vejo um poeta mesmo.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Jair pelo belo comentário deixou-me realizado, o poema alcançou seu objetivo, te emocionou, cumpriu sua função social. Realmente nos identificamos enquanto seres humanos,estamos no mesmo barco, comemos, sentimos sede, dores, amamos, nos emocionamos... Agradeço as estimulares palavras, a injeção de animo, a consideração a minha pessoa.

      Excluir
  13. Poxa! queria eu cometar que nem o Nato mas, como ñ sei expressar de tal forma. Sua poesia é de fato instigante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo comentário é valido Kessya, só acrescenta. Por vezes veste o poema com outra roupa até mais bonita, com outros arranjos surpreendentes, que venham os comentários. Obrigado boa menina, comente sempre, não se reprima.

      Excluir
  14. Mas que inveja literária de você,Fábio! *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer isso Pri, quem sou eu! Obrigado pela visitinha gentil menina.

      Excluir
  15. Ele é tipo um Benjamin Button... Mas ainda mais complexo...

    ResponderExcluir
  16. Que importa se riam e não entendam a alegria de alguém que já muito viveu! Emoções não estão no campo da loucura e sequer pertencem à juventude.
    Um belo poema. Obrigada por retribuir minha visita. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Emoções não estão no campo da loucura e sequer pertencem à juventude". Muito bom mesmo, Marilene, Obrigado.

      Excluir