sexta-feira, 7 de março de 2014

Depois de Tudo


Homem como os demais,
Apegado às coisas materiais,
Quando morre, jamais...

A casa, túmulo em vida,
E todas as coisas findas,
Ficam pra trás.

De seu, só o próprio corpo, jaz,
Do jeito que veio, vai.

Tão estático
Como as flores de plástico
Fingindo que estão vivas;
Tão ausente
Como as estátuas da praça
Fingindo que é gente.

Fábio Murilo, 20.07.2009

38 comentários:

  1. Fábio,

    Profundo, do jeito lapidar dos tercetos!
    Gostei bastante.

    :)
    Marcos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... Que bom ouvir isso de um sonetista. Foi casual, na boa vontade mesmo. Obrigado Marcos.

      Excluir
  2. Boa tarde Fábio

    Adorei a tua poesia, Parabéns

    Bom fim de semana, beijos

    ResponderExcluir
  3. BRILHANTE

    Desejo um fim de semana muito feliz
    ******************************
    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Uma obra de grande força e belamente construida.

    Cuja mensagem não deixa espaço para dúvidas.

    Felicito-te pelo talento Fábio, já aderi ao teu site
    para acompanhar teus trabalhos.

    Grata por teu carinho connosco no Refúgio,ficarei
    muito feliz com tua presença por lá.

    Minhas saudações poéticas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado gentil Ronilda, pelas elogios. Seja sempre bem vinda, é um prazer. Mas é claro, passarei no seu Refugio.

      Excluir
  5. A questão é que as pessoas levam a vida do dia a dia esquecendo que são mortais, e mesmo quem da morte se lembra acha que o fim (ou passagem, para alguns) é tão longínquo, que nem valerá a pena aproveitar a vida no que ela tem de essencial e não de acessório a pensar no que se anda cá a fazer.... Claro que viver bem é importante, mas tornar-se escravo dos bens materiais, mais do que uma futilidade ou mero acto exibicionista para esfregar na cara do vizinho, é perda de tempo.
    Chegamos e iremos sem nada; o resto é fogo de vista. O "Depois de Tudo" de um tudo que pode não ter sido grande coisa.
    Adorei o teu poema, Fábio. Principalmente a última estrofe que está perfeita!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu adorei seu comentário, Laura, demaissss!!!! Perfeita!

      Excluir
  6. Somos pretensiosos demais. Achamos que compreendemos tudo quando, na verdade, não sabemos nada de nada. Adorei a cadência dos versos, Fábio!

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo Larissa, a dia é um insondável mistério. Obrigado pela visita.

      Excluir
  7. Ótimo, perfeito!
    Mas uma coisa não se pode fugir: até hoje os filósofos se batem e debatem e nenhum ainda conseguiu explicar o real sentido da vida! Viemos e vamos...Tudo termina, pelo menos aqui. Se existe algo além... temos de esperar, porque ninguém virá nos dizer.

    Enquanto para uns isso nada diz, para outros é questão de fé. E fé não se discute.
    E assim caminha a humanidade...
    Mas falando francamente, Fábio, não faço lá muita questão de saber tão cedo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também Tais, na duvida, deixa eu ir ficando por aqui mesmo, rs... Adoramos essa questões existenciais. Obrigado, menina de ouro.

      Excluir
  8. Boa Noite.
    Hoje tão somente hoje quero deixar de alguma forma meu
    carinho a todos que sempre dedicou um dia de carinho para mim .
    Meu desejo seria retribuir de alguma forma tudo que aprendi na vida e nos últimos anos
    como um grito de amor nesse dia Internacional da Mulher.
    Rogo a Deus por todos as mulheres que ainda sofre em todo o Mundo.
    Pela falta de compreensão , discriminação pela raça , pela cor , pela classe social
    pela mutilação .
    Que nesse Dia você possa olhar para dentro de si mesmo e dar
    graças a Deus pela vida ter sido generosa ,
    pois a mim você sempre deu carinho afeto e companheirismo .
    Quando estava prestes a desistir, lembrei-me.
    Tinha a maior riqueza do mundo sua (Amizade)
    Hoje deixo essa mensagem independente de ser amiga ou amigo.
    Eu preciso muito da sua amizade e capacidade
    de aceitar - me como sou quero sim
    sua amizade esse sim é o presente que peço nesse Dia Internacional Da Mulher .
    Com todo carinho saberei recompensar sua amizade com o mais puro amor
    que existe dentro do meu coração.
    Deixo nesse dia beijos no coração e afagos na Alma.
    Deixei na postagem um mimo encontre o que você gostar é minha gratidão
    por tudo que representa na minha vida.
    Carinhosamente.Evanir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre amável Evanir, claro, disponha sempre de minha amizade, gentileza gera gentileza, é a ordem natural das coisas. Obrigado, e feliz dia internacional da mulher.

      Excluir
  9. Poema pra se refletir sobre, hum...
    Parabéns, és ótimo e sempre, sempre que venho aqui fico assim, em reflexão.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É? Mas não é intencional, vai ver que é meu jeito exteriorizado eu penso muito na vida , me questiono desde pequeno nos "comos" e "porques" de tudo. Obrigado, Nato.

      Excluir
  10. Que nada se leva, é certo. Que estamos aqui para aprendizado, creio. Apenas nos preceitos religiosos podemos encontrar respostas. Ainda que não existissem, mesmo nesse campo, nada justificaria o viver apenas para ter. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Marilene. Bastaria ter o necessário. Obrigado.

      Excluir
  11. Me acostumei com a morte desde os 15 anos... depois aprendi a tirar o lado bom dqa saudade, da vida terrena e espiritual emfim... a morte hoje não me assuto mais.
    Beijos garoto da poesia.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, garota cheia de vida e de alegria. Eis seu segredo da sua permanente motivação e entusiamo. Beijos, garota das poesias, rs...

      Excluir
  12. Eu deveria mandar essas rimas para certas pessoas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, parecem anestesiados, quando for ver já é tarde... A vida não permite reprises.

      Excluir
  13. Nascemos sem nada material, a nossa casa já arrumada e dela só devemos cuidar até retornar ao pó de onde viremos.
    Boa noite Murilo, que rimas acertadas. Outro dia me disseram que eu deviam não fazer rimas no final...refleti e vi que de outro jeito vou estudar pra depois me arriscar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Noite, Vall. Não se deve usar rimas final? Que historia é essa? e os sonetos. afinal. Costumo usar rimas involuntariamente, nem percebo, não sigo nenhuma regras não, simplesmente vão saindo, gosto, só isso, nem me apercebo. Obrigado.

      Excluir
  14. Depois de tudo
    Eis que surge a verdade
    Tão procurada em vida...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse o Maluco Beleza: "Morte, morte, morte que talvez seja o segredo desta vida". Obrigado Anderson.

      Excluir
  15. Acho que agimos mesmo como flores de plástico, até o dia de nossa grande Viagem...Gostei, Fábio.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse Laura, vivemos como se fossemos eternos. Não que iremos viver soturnos, como abutres agourentos, mas a consciência da morte nos convoca a encarar a vida com mais seriedade e dar mais valor aos momentos, a viver a vida mais intensamente, o agora que passa inexoravelmente. Beijos, Shirley.

      Excluir
  16. Meu poeta sério Fabio Murilo, o sério não é pela foto séria do teu perfil rs, mas da seriedade com que escreves, como o que transmutas em poemas nossos dilemas existenciais, ou revisitando situações da vida como o carnaval em Nos Dias de Momo, ou o crescimento em Madura Idade, e até mesmo nossa entrada na vida, no poema Grávida( só para citar os recentes)...são poemas ricos em rimas, um vocabulário riquíssimo, e uma doçura na hora em que transportas teus versos de tua alma e coração e cérebro para este blog da mais pura, séria e verdadeira poesia. Leio muito teus poemas, mas sinceramente, fico um tanto tímido para falar deles, se bem que meus comentários sempre partem do que sinto com o que leio, de qualquer forma, muito obrigado por tanta inspiração.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas, tímido de que, estou satisfeitíssimo e profundamente lisonjeado com o que disse. Precisa dizer mais nada não, Jair, obrigado. Gentil e amável como sempre.

      Excluir
  17. Que belo poema, é uma brilhante reflexão sobre o quão efêmeras são todas as coisas materiais que possuímos! Infelizmente, por vezes damos excessivo valor a estas coisas, esquecendo de que um dia morreremos e nada mais disso terá importância..
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esperava ansioso sua visita Vane. Sei que esses versos são do seu agrado. Essas reflexões existenciais que tanto gostamos. Obrigado pelo indispensável comentário.

      Excluir
  18. Um primor! O teu belo e intenso poema permite-me refletir sobre a inutilidade da vaidade humana e o descaso que se dá à brevidade do nosso tempo de existência. Essas formas de agir levam ao apego de riquezas ilusórias e a evasão e desperdício do bem precioso e essencial chamado vida. Você é um talento. Parabéns, poeta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito seu entendimento, Lu. É isso ai! Obrigado pela visita.

      Excluir
  19. " Como as flores de plástico
    Fingindo que estão vivas" - trecho favorito.
    Achei forte, e simplista, como uma poesia tem de ser. Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom te ver novamente por essas bandas, Mari. Obrigado.

      Excluir