sexta-feira, 4 de julho de 2014

Do Transitório


Receio que serei esquecido
Como os galhos ressequidos
De uma arvore qualquer,
Como os trilhos antigos
De um trem enferrujado,
Como tudo que agora
Será passado, perdido.
Como o que perdeu o encanto
E restou num canto, abandonado.
Como quem passou da validade,
E deixou de ter utilidade.
Como a estrela ofuscada
Pelo brilho maior do sol.
Como tudo que agora será nada
E sonhou em ser eternidade.

Fábio Murilo, 04.07.2014

40 comentários:

  1. "Como tudo que agora será nada e sonhou em ser eternidade" que frase linda, profunda, não há palavras para descrever o impacto que deu ao desfecho do poema. Parabéns, ficou tão delicado...
    Em pensar que um dia todos seremos nada abaixo de sete palmos da terra... Triste.
    Tenha uma boa semana, Fábio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carol, pelo cometário sensível e gentil. Gostei!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Que bom! De repente o texto ganha vida própria, toma caminhos, atalhos vários, multifacetados. Obrigado, Bruna.

      Excluir
  3. Nossa página será virada, sem dúvida...
    Belíssimo poema, Fábio.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Fábio.. uma verdade, ou um vislumbrar dela.. fiz um soneto bem falando disso tb.. somos passageiros na carruagem da vida..
    espero que meu nome reine nas páginas da história.. estou fazendo por isso.. abração amigo poeta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo menos riscado numa calçada, Samuel, rs... Sei não se tivermos de acontecer que seja aqui, depois...

      Excluir
  5. Boa tarde Fábio

    Lindas palavras, as tuas.
    Mas nunca será esquecido. Mas como se diz, nada é para a eternidade! Amei ler.

    Beijinho
    Bom fim de semana.

    Coisas de Uma Vida 172

    ResponderExcluir
  6. Por que o medo de sermos esquecidos? Lembrei-me do personagem Gus do livro "A Culpa é das Estrelas", esse era o seu maior medo...

    Beijos,
    Sorteio: livro “Hathor”

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, talvez carência, falta de maturidade, Nina. Obrigado.

      Excluir
  7. Respostas
    1. É bom acreditar nisso. Talvez um filho, um beneficio prestado a alguém, uma arvore plantada, um livro... Obrigado, Daniel.

      Excluir
  8. Me lembrei de uma conversa que tive com meu professor de flauta.
    Ele disse que a história nossa história só vai ser contada quando morremos.
    E logo nos tornamos eternos!

    ResponderExcluir
  9. Por mais que o tempo passe
    e o que nós vivemos, seremos esquecidos por uns
    e deixaremos saudades para outros dentro do coração

    Abraços de bom final de domingo e
    começo de semana

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, inevitavelmente, Rita Sperchi, obrigado.

      Excluir
  10. Como sempre, um texto reflexivo e tocante.
    Parabéns, Fábio!

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Joana, muito amável, como sempre. Beijos!

      Excluir
  11. Na verdade a poesia será sempre eterna e sobreviverá aos tempos, claro que ao seu modo em cada época, mas sempre há de nascer um poeta que nos fará sermos eternizados nos versos...
    Um abraço.
    Que primoroso poema,menino!!!

    ResponderExcluir
  12. Boa noite, Fábio. Você estava muito inspirado nesta criação.
    Esquecido você não será, não tem como, sua semente de poesia ficará espalhada por cada canto que passar, não haverá ressequidão que seja mais forte do que você, pode ter certeza disso.
    Nos renovamos sempre, estamos em movimento constante, se não para umas pessoas, estaremos para outras com toda a certeza da face da Terra.
    Parabéns por esta profusão de sentimentos em poesia.
    Beijos na alma e linda semana de paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Pat, pelas gentis e carinhosas palavras de amizade. Beijos!

      Excluir
  13. Muito profundo esse poema.
    Quando se tem amor pelo todo e por todos sempre haverá
    uma luz aquecendo algum ser em algum lugar e essa luz não tem tempo de validade ela será eterna.
    Amei sua poesia .
    Sou a Rosa Valverde amiga da querida Patrícia Pinna.
    Obrigada pela oportunidade de conhecer essa maravilhosa poesia.
    Grande Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, quanta gentileza, eu que agradeço sua visita Rosa Valverde.

      Excluir
    2. Boa tarde, Murilo. Eu também adoro a Rosa, assim como suas visitas.
      Ela é uma pessoa gentilíssima de alma nobre.
      Que bom vê-la em teu espaço, fico feliz.
      Beijos na alma e lindo fim de semana de paz!

      Excluir
    3. Ah, a Rosa só podia fazer parte do seu seleto circulo de amizade, Patricia. Seus amigos serão sempre bem vindos! Obrigado!

      Excluir
  14. Ai, o desacougo do ser humano, tan familiar para todos nós. Sinto os teus versos no corazón, fágoos meus, porque demasiadas veces tiven (e teño) pensamentos así.

    ResponderExcluir
  15. Acredito que todos possuímos, ao menos, uma centelha de importância para determinadas pessoas em um específico espaço e tempo. É essa relevância que precisamos viver e explorar, porque depois seremos "galhos ressequidos" e não temos certeza absoluta do que virá em seguida, só não podemos, amanhã, credenciar aos deuses ou ao destino, o ônus pelos nossos arrependimentos e omissões de hoje.

    Sublime poesia.

    Grande abraço Fábio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é um filosofo, Victor, amei seu comentário. Encheu-me de alegria, conforto e animo. Obrigadíssimo!

      Excluir
  16. O poeta é um fingidor
    finge tão completamente
    que chega a fingir que é dor
    a dor que deveras sente.(FP)
    Poetas são eternos...
    Não acha?
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho garota, sempre oportuno citar Fernando Pessoa, meu poeta preferido. Beijos!

      Excluir
  17. Nossa... é tão belo e ao mesmo tão triste!! E quantas vezes não pensei o mesmo? Só que nunca consegui transformar num belo poema...
    beijos, menino de ouro.

    ResponderExcluir
  18. Que profunda reflexão, Fábio! Por vezes também temo ser esquecida, tal como se nunca houvesse de fato existido.. Embora, no fundo, acredite que nada ou ninguém é realmente esquecido, de alguma forma deixaremos nosso legado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Vane, Inspiradoras palavras, obrigado.

      Excluir
  19. Nós, poetas,somos assim, Fábio, inseguros, sempre insatisfeitos, eternos sonhadores querendo alcançar a maiis alta estrela. E é esse anseio que nos faz contiinuar a criar beleza para encantar este nosso mundo pobre de amor. Ser poeta é ser bela estrada por onde se caminha feliz e não sulcos onde não se pode transitar. Continua construindo e plantando, amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belas e inspiradoras palavras, Regynna. Obrigado pelo estimulo.

      Excluir