sexta-feira, 18 de julho de 2014

O Peso da Racionalidade




Às vezes somos ágeis
E saudáveis
Como gazelas.
Noutras frágeis
Como donzelas,
Como folhas ao vento,
A vida e seus contratempos...
Sempre indigesta,
Embora as festas
Que inventamos,
Embora os planos,
A ilusão de comando.

Às vezes, melhor seria
Não ter conhecimento dos fatos,
Dos rumos dos acontecimentos.
Ter o discernimento de um boi
No pasto ruminando o tempo.

 Fábio Murilo, 14.01.2003

38 comentários:

  1. Boa tarde Fábio

    Belíssimo poema!! Pois ás vezes, mais vale nem saber de nada! Adorei

    Bom fim de semana.

    Beijos

    Coisas de Uma Vida 172

    ResponderExcluir
  2. Vale muito a pena entrar aqui para ler o que tu escreve, vale a pena, também, esperar toda sexta feira. hahah
    A tuas palavras formam poemas tão fortes!

    A vida é um rio desenfreado e nós somos dependentes de seu curso, por isso, ora donzelas, ora gazelas... E quem dera ter o poder de não saber das coisas, de poder escolher o que lembrar!!
    Ficou lindo, Fábio. Tenha um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carol! Que bom, que gentil! Sendo assim, venha sempre menina, rs... Bom domingo!

      Excluir
  3. Murilo,

    A gente tem de aprender a gostar da vida, que a vida gosta de quem gosta dela.

    abraço
    Marcos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou como diria Pessoa? "Pensar é estar doente dos olhos".

      Excluir
  4. Às vezes é porque temos conhecimeto do rumo dos acontecimentos, e quando não temos existe a tendência para criar ansiedade quanto ao futuro...Muito melhor não saber, e deixar correr, pastando a vida. Só que não somos seres apenas naturais.A dita civilizaão criou-nos ansiedade. E por mais que tentemos a vida que que temos nunca a teremos,como gostaríamos sob o nosso controlo.
    Belo, Fábio! Tu és um poeta pensador.
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais isso não é um comentário, é uma extensão melhorada do poema. Obrigado, Laura.

      Excluir
  5. Boa tarde, Murilo. A vida é feita de muitas fases, a da força e fragilidade.
    Não podemos fugir a nenhuma delas, esta é a grande verdade.
    As ilusões criadas por nós parecem num determinado momento um alento, mas na realidade, só nos afastam da realidade que precisamos enxergar.
    Não sei se não ter conhecimento dos fatos seria algo bom, seríamos pegos de surpresa quando tivéssemos de encarar a vida, suas adversidades, dores e nostalgias.
    Mas como nem tudo é ruim, sempre existe o lado benéfico nas nossas ações, viver com conhecimento é um deles.
    Que sejamos entregues ao viver soberano, o que nos diz o que fazer muitas vezes apenas pela nossa intuição mesmo.
    Parabéns.
    Tenha um fim de semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é forte. Boa filosofia de vida. Obrigado, Pat.

      Excluir
  6. Até que seria bom ruminar , como o boi no pasto, a calma, a paz e o verde da tarde...
    Beijo, Fábio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi, também pensei nessa imagem quando tava fazendo o poema, rs...

      Excluir
  7. Ruminar no pasto como o boi foi bom
    pq a felicidade é assim que se encontra
    viver bem ou não saber de nada, ter conhecimento
    dos fatos é importante eu acho...

    Abraços de sempre
    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dizem que, igual ao boi, "o cachorro só é feliz porque não conhece a felicidade", Rita.

      Excluir
  8. Só esse título já me faz pensar nessa vida mecânica que tanto prezamos, o poema em si fala com tamanha sensibilidade da escravidão rotineira...
    Escreva mais e mais!

    ResponderExcluir
  9. Passo para te desejar um excelente domingo.

    Beijos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cidália, bom domingo prá você também. Beijos!

      Excluir
  10. Seu reflexivo poema me fez lembrar de Alberto Caeiro e do desprendimento dele com a racionalidade e o pensamento.

    "Há metafísica bastante em não pensar em nada."

    Parabéns Fábio por manter o nível de seus poemas tão elevado, isso é realmente admirável.

    http://omundoemcenas.blogspot.com.br/

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gosto de Fernando Pessoa e seus heterônimos. Obrigado Victor Costa pelos elogios.

      Excluir
  11. Fábio, essa reflexão foi meu número! rsrsrsrs ando vivendo esse dilema ultimamente, pois é do meu feitio manter as coisas em ordem, os fatos sob controle, mesmo sabendo que o controle é ilusório. Mas me causa conforto tê-los supervisionados e aparentemente controlados. Ao menos sei o que fazer se isso ou aquilo ocorrer.

    E ao mesmo tempo uma pessoa próxima a mim tenta me convencer que devemos deixar nos levar pela maré, apenas sentir e curtir sem se preocupar com o que vai dar. E se der, resolvemos. Que difícil isso! Não sei não pensar, não questionar, esvaziar a cabeça e soltar as rédeas da situação. Que sensação de vulnerabilidade que dá! Não se trata de querer ser onipotente, não do meu ponto de vista, mas apenas de manter-se alerta e preparado pra o que der e vier. Dilema difícil esse que você coloca, hein?

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  12. A vida é uma caixinha de surpresas e nem sempre estamos preparados para o que há de aparecer.
    Nós, frágeis humanos, nos adaptamos de acordo com os acontecimentos... alguns se saem melhor que outros. Mas a vida é isso mesmo, desafios constantes nos fazendo aprender na marra :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa com tão pouca idade, falou com uma segurança e uma maturidade impressionante, Nanda. Obrigado.

      Excluir
  13. Olha eu sei que a vida tem seus altos e baixos, mas eu não gostaria
    de ficar pastando não. Acho que não é meu estilo.Estou mais pra um cavalo alazão
    voando pelo tempo.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  14. Verdade... e, porém, somos chamados à construção diária do sonho com tudo o que temos de trabalhar para tirar o lixo humano do dia a dia...

    ResponderExcluir
  15. É o que acontece quando se pára pra pensar, vem a realidade, pura, verdadeira, sem fricotes! As grandes festanças, Fábio, são como um véu, encobrem, mas levemente e por pouco tempo aquilo que não queremos ver...
    Você vai fundo, hein?

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois, Tais, interpretou maravilhosamente bem, disse tudo. Beijos!

      Excluir
  16. Boa tarde Fábio.. o bom da vida é ter inúmeras experiencias.. afinal são possibilidades mil.. quem fica estagnado no tempo perde muito .. pois a vida flui constantemente..
    abraços poeta até sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, Samuel Balbinot. Abraço, Feliz Dia do Escritor.

      Excluir
  17. Quanto mais se sabe maior a dúvida! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E "a duvida é o preço da pureza", é isso mesmo, Vanessa.

      Excluir
  18. ... nós seríamos assim Fábio, se o pecado não estivesse sido descoberto... se lá no início o fruto do conhecimento do bem e do mal não estivesse sido desgustado. Mas fazer o quê? É a vida.

    Beijos amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Fê, é o fruto de nossas decisões. Ou, se colhe o que se planta. Obrigado por suas considerações.

      Excluir