sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Serenidade



Há uma razão em meus dias sem razão,
A morte não parece tão viva.
Há no ar uma canção,
Uma vontade de viver,
Uma excitação inconsequente,
Uma eloquente satisfação.
Sopra em mim uma brisa afável,
De final de tarde,
Como se nunca fosse tarde
E a vida estivesse só começando,
E eu remoçando.
O agora passando docemente 
Num amanhã sem planos.

Fábio Murilo, 03.06.2012

43 comentários:

  1. Olá Fábio. Fiquei fora por um tempo, mas senti falta de ler de suas palavras, segui suas recomendações e coloquei a opção de seguidores no meu blog http://martirio-maritimo.blogspot.com.br/ se lembra de mim ? Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Isabella! Seguiu minha recomendações, fez bem. Eu por exemplo, passei metade da existência do blog, na época, sem ativar esse recurso, maior bobeira! É bom, fideliza as visitas e estreita a amizade entre você e seus leitores. Pode colocar, fica a seu critério, os recursos ai do lado direito, acho útil, além de embelezar o espaço, basta pesquisar na Net. Tenho te visitado. Obrigado, simpática menina.

      Excluir
  2. Bom dia Fábio!

    Belo poema... Cada dia que nasce.. nós renascemos...E viver o hoje como se não houvesse amanhã
    Gostei muito.

    Excelente sábado

    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, de repente, Cidália, essa é a forma. Façamos o que façamos não mudaremos o que esta acima de nossas possibilidades. É lutar contra moinhos de ventos e perder tempo. Obrigado.

      Excluir
  3. Olá, tudo bem ?
    Hoje é feriado na Cidade de São Paulo - Brasil. Uma cidade onde tudo é longe, e tudo é perto, ao mesmo tempo. Ainda assim, uma selva de pedra, acolhedora e agradável, ao olhar poético.
    É com este espírito, que lhe saúdo, desejando, um fim de semana muito bom.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, José Maria, poeta urbano! Parabéns para sua cidade e você enquanto morador. Abraços.

      Excluir
  4. Lindo ... maravilhoso

    Desejo um fim de semana muito feliz
    Cumprimentos
    *********************************
    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, cordial Ricardo. Bom final de semana pra você também. Obrigado.

      Excluir
  5. Dias sem razão aparente podem ter tanto sentido, que mais não seja por essa vontade de viver que nos faz recomeçar e desejar ter ainda muitas dessas tardes de brisa. Que se dane o amanhã, a urgência reside no aqui e agora.
    Um poema de quem está bem vivo!
    Adorei a imagem escolhida; manter a serenidade com todos os tubarões à volta
    deve ser o lema...Deixá-los estar, não é Fábio?...:-)
    Gostei muito.
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Que se dane o amanhã, a urgência reside no aqui e agora". Que bela injeção de animo, Laura. Tudo é uma questão de estimulo. O estimulo é um sopro de vida, bem como a motivação. É revigorante, é vida por extensão.

      Excluir
  6. Belas sensações, Fábio. Será o amor chegando?
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Que delícia de poema!

    Como se nunca fosse tarde
    E a vida estivesse só começando,
    E eu remoçando.
    O agora passando docemente
    Num amanhã sem planos. Amei! Bom domingo Fábio :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Joana. Bom domingo prá você também.

      Excluir
  8. Bom dia, Fábio. Que interessante esse seu poema.
    Uma brisa que nos leva a enxergar, que temos uma esperança nessa brevidade de momentos, uma alegria interna que nos faz remoçar e pensar que a vida vale a penas ser vivida não importando se somos tão jovens ou não.
    Que possamos ser livre para vivenciarmos o amor, que essa experiência de sensibilidade nos transmite
    Parabéns!
    Excelente semana de paz!
    Beijos na alma!.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, poetisa Patricia. Pois é, nunca é tarde, as oportunidades sempre nos pegam peças. Somos sempre surpreendidos quando menos esperamos. Inútil e não producente pensar que a vida é estável, é uma caixinha de surpresas. Obrigado pela visita.

      Excluir
  9. Olá! Obrigada pela visita no meu jardim e pelas palavras em meus comentários, amei muito.
    O bom da vida as vezes é viver do que se pode surgir na beira do caminho, as oportunidades dadas. A serenidade do acaso, o não planejado e as surpresas que podem surgir. O olhar ao redor mais atento, com a sede de não deixar nada escapar das mãos, na expectativa de colher coisas boas e novas sensações. VIVER SIMPLESMENTE SEM DEMAGOGIA. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dizer mais o que?! Amei suas palavras Simone Prado, é isso ai. Obrigado.

      Excluir
  10. Oi Fabio!

    Ainda bem que há sempre uma razão pra tudo, mesmo nos dias sem razão!
    Interessante,e lindo poema!

    Uma honra sua visita no meu blog, volte sempre, será um prazer te receber;)

    Bjos e ótima semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mary, pois é, ainda bem que exitem razões, opções circunstanciais nos dias aparentemente sem razão. É um prazer visita-la. Obrigado.

      Excluir
  11. E quais seriam suas razóes de serenidade hoje??

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje... Só se eu escrever e te contar noutro poema. rs... Beijos!

      Excluir
  12. É certo que a vida gira e as oportunidades nos podem surpreender, mas esperar por elas é temerário, quando não se está atento ao que se pode fazer no hoje. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, em parte, tem coisas que fogem ao nosso controle e outras que podemos interferir, se antecipar. Tenho como lema uma frase de um grande empresario brasileiro: "A oportunidade é um cavalo selado, quando ele passar, monte". Também tem o refrão de uma musica de um famoso cantor brasileiro, hino da resistência ao regime militar que eu gosto muito: "Vem vamos embora que esperar não é saber, quem sabe faz a hora não espera acontecer". Obrigado, Marilene.

      Excluir
  13. Os dia que passam sem razão pode significar muitas coisas.
    Desilusão,depressão ou talvez preguiça.
    Muito interessante sem poema.
    Boa tarde.

    ResponderExcluir
  14. Se a poesia está morrendo, as suas continuam vivas. Como é bom poder repousar e ouvir o som da vida, é daí que também sai a poesia. Gosto muito daqui, gostei da poesia.

    ResponderExcluir
  15. Boa noite Fábio. a morte é tão viva como a vida só ocultada sobre o véu oculto .. serena a tua poesia poeta amigo abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "A morte é tão viva como a vida só ocultada sobre o véu oculto,,," Que consolador! Como dizia o Raul: "Morte que talvez seja o segredo dessa vida". Obrigado espiritualizado amigo, Samuel, é sempre um prazer receber visita. Abraços!

      Excluir
  16. Como é bom ler coisas boas na net! parabens pelo talento com as palavras!
    Me faz uma visita? http://mardeletras2010.blogspot.com.br/2014/01/abbey-road.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado,Vanessa Santos. Visitas-la? Vou agorinha, obrigado pelo convite.

      Excluir
  17. Muito sereno mesmo. Apenaa um comentário sobre a razão : prefiro ser feliz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse conceito de Felicidade é tão pessoal! Obrigado, Senna.

      Excluir
  18. Ah, Fábio! Como foi boa a sensação que tive ao ler Serenidade...
    "Num amanhã sem planos!" *---*
    Vivamos o agora!
    És ótimo, sempre digo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Nato, o agora sem ansiedades, sem necessidades do que ainda não aconteceu e talvez em venha a acontecer. Viver só imediatismo do momento. Obrigado.

      Excluir
  19. Lindo e certíssimo, Fábio, deixando a vida lhe levar e com uma vontade intensa de viver, apenas viver! E tem coisa mais saudável?
    Beijo, menino de ouro. Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Tais Luso, a vida só vale pela emoção. Obrigado.

      Excluir
  20. Adorei as palavras, adorei o blog, adorei tudo!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  21. É muito bom quando nos sentimos assim. E não importam os tubarões que nos cercam.

    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, Larisa, é uma conquista intima. Beijos!

      Excluir