sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Apenas um Carinho

 
A palavra vai, se anima e se retrai,
Ensaia voos ousados como ave nova,
Ondas a beijar a areia e voltar pro mar.
Há o anseio e o receio de não magoar,
De não soprar forte e devastar o jardim.
Há todo um cuidado de quem
Manuseia uma cerâmica milenar,
De não pisotear com patas de cavalo.
Aproximação de nave na atmosfera,
Contato de dedos em pétalas de rosas.
Mel nas palavras dengosas a se derramar,
Satisfação de quem possui uma jóia rara,
Extremado modo de se preocupar.
 
Fábio Murilo, 22.10.2014


36 comentários:

  1. Lindas palavras como sempreeee... vc tem um dom, rapaz, nunca pare de escrever. Beijos.
    att.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo? Obrigado, Claudinha Santos. Beijos!

      Excluir
  2. Bom dia Fábio Murilo

    Poema maravilhoso, o teu

    Tem um ótimo sábado.
    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. as palavras podem salvar, simples assim! lindo.

    dentrodabolh.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Ah que delicadeza linda nesse poema...
    Ameiii demais, essa harmonia gostosa!

    ''Mel nas palavras dengosas a se derramar,
    Satisfação de quem possui uma jóia rara,
    Extremado modo de se preocupar.''

    Beijos meu amigo poeta Fábio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Fê. o cuidado com que se gosta vem naturalmente, é espontâneo. É imprescindível ter um certo tato, calcular as palavras, para não magoar, não ser grosseiro. Calar também nos momentos certos, calar também é responder. Ser prudente, cuidado com os que nos são caros. Que bom que gostou! Beijos!

      Excluir
  5. ... esqueci de dizer... Amei a imagem também, rs
    Tudo lindo e harmonioso!

    ResponderExcluir
  6. Bonita conclusión no derradeiro verso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Fénix, há tempos que não aparece? Obrigado pela visita.

      Excluir
  7. Que belo, você desenhou uma forma linda, linda com palavras!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, poetisa Enide. Obrigado pelo gentil comentário.

      Excluir
  8. Devemos nos vigiar, para que nossas palavras sejam como joias raras...Belíssimo poema, Fábio.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, Shirley, nossas palavras são os nosso cartões de visita, são mimos, são mágicas. Obrigado, beijos!

      Excluir
  9. O cuidado de "não pisotear com patas de cavalo" ou introduzir o elefante na loja de porcelanas...:-)
    A palavra precisa estar leve tal como a forma como a lançamos no espaço, para que caia suavemente aterrando sem estremecimento. Quando se está encantado, as palavras complementam o brilho do olhar.
    Muito lindo, Fábio!
    Bom domingo!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa do "elefante na loja de porcelanas" foi boa, Laura, rs... Lindo foi seu cometário, gostei! Obrigado!

      Excluir
  10. As palavras realmente tem esse poder de nos provocar diversas sensações..
    Que belo poema, Fábio! Muito verdadeiro..

    Tenha um bom fim de semana!
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Vane. as palavras tem alma, vida própria e as vezes se eternizam. Obrigado, abraço.

      Excluir
  11. Quando existe apenas um carinho tudo surge perfumado e florido.
    sem preocupações.
    Boa noite. Moço.
    Beijos meus daqui

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carinho é tudo. Palavras são abraços falados. Beijos, Moça.

      Excluir
  12. Como é importante ressaltar o poder que a palavra tem, seja quando dita para bem como para o mal. E neste caso só quem já recebeu uma palavra de carinho sabe como é gostoso esse afável, a minuciosidade, o carinho de quem mede o que diz.
    Sua poesia sempre tão descritiva, preocupada com os mínimos detalhes. Parabéns Fábio, sempre muito prazeroso dedicar alguns minutos para vir aqui me inundar dos teus versos tão caprichosos.
    Obs.: obrigada pela preocupação, gostaria de ter vindo comentar aqui antes mas estava sem internet, voltou há pouco!!!
    Ótima semana querido, parabéns mais uma vez pelo texto. Beijão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É preciso ter cuidado, medir as palavras, como disse. Ah é, me preocupei e perguntei por você no seu blog, sempre atenta as atualizações, não apareceu, tive uma peocupação natural. Internet... Sei, problema comum. Obrigado, Carol, Beijos!

      Excluir
  13. Belo, Fábio!! Depois de soltas as palavras, o vento leva e jamais devolve. Como foram moldadas, ficarão. Por isso o maior cuidado! Preferível calar do que uma injustiça lançada.
    Beijo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, Tais. Todo cuidado é pouco. Obrigado, beijos!

      Excluir
  14. Respostas
    1. É, faz-se necessario com determindas pessoas. Obrigado, Marcos.

      Excluir
  15. Temos que cuidar de quem amamos!!
    O anseio e o receio de não magoar! Lindíssimo poema!!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  16. Bom dia, Murilo. Muito bom o poema.
    A palavra tanto tem o poder de abençoar ou de amaldiçoar, de aquietar um coração ou desesperá-lo.
    Precisamos dizer o que queremos com uma delicadeza a fim de que não magoe ninguém.
    Isso, nem sempre é possível, até mesmo porque em algumas situações não queremos, mas o quanto mais cuidadosos formos ao dirigirmos a palavra a alguém, melhor para nós, estaremos nos preservando de males futuros.
    Tenha um excelente fim de semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, mesmo Patricia. As vezes as palavras doem mais que uma agressão fisica. E presico ter extremado cuidado. Obrigado.

      Excluir
  17. Esse zelo constante pra se falar do outro e cuidar do outro... Talvez seja a coisa mais preciosa num relacionamento. Esse encanto que não podemos deixar quebrar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nessas situações, o cuidado, o zelo, como disse, ocorrem de forma natural, um impulso, uma necessidade. Já não somos apenas nós, somos o outro também. Obrigado, Poetamiga, Hellen.

      Excluir
  18. Atos delicados para sentimentos intensos.
    Belo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante observação fez, gostei. Obrigado, Luria Corrêa.

      Excluir