sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Pois é...


Você é tudo que possuo, minha última tentativa, meu elo perdido.
Você é tudo que intuo e aposto todas as fichas, um achado,
Você é a luz no fim do túnel, um mundo encantado.
Horizonte distante, cenário deslumbrante ao olhar embevecido.
Como o sertanejo ao ver o solo rachado anseia pela tempestade,
Como quem conta os segundos de angustias na obscuridade
Desejoso do sol da manhã vindoura, redentora, da claridade.

Vejo-me triste, soturno, pesaroso, desanimado,
Nesse vale perdido, nessa terra de ninguém, nesse chão árido.
É que a razão pesa, as nuvens são de chumbo e o mundo vai desabar.
Falta-me o ar, a angústia me oprime, me aperta o peito feito torno,
Em torno, nada há, só desesperança, o mundo é cruel, é fel,
É um pedregulho girando no cosmo, é um entulho, engulho.
Ser humano é verme, um pouco mais crescido, acrescido de orgulho.
E não vejo beleza no mundo, só um vazio, um rio de silencio,
A desaguar por dentro, a me afogar, a me envenenar pouco a pouco.
Quero falar, mas, minha voz não produz eco, retorno,
Quero vomitar esse ácido que me assassina.

Só em você encontro chão, brisa, relva boa e afável,
Tua mão afaga meus cabelos, acalma meus medos, me anima.
Sua voz é musica agradável, é sinfonia aos meus ouvidos ensurdecidos,
Teu olhar acende meus olhos a muito apagados, entristecidos,
Cegos de tédio, de ver as mesmas coisas, enfastiados.
Tua alegria é uma festa, são rojões no ar, na noite dos meus dias.
Trazes canções inéditas, serestas, serenatas, orquestrações,
Vestida de festa, razões pra acreditar, ar aos pulmões,
Um folego a mais a esse afogado, náufrago de muito tempo.
A se entregar a essa ilusão inocente para não sucumbir,
Apenas pra sorrir um pouco, um riso pálido, inconsequente,
Deixando-se levar pela corrente sem saber aonde ir.

Fábio Murilo, 29.09.2014


53 comentários:

  1. Boa noite Fábio

    Parabéns... talvez dos mais lindos que já aqui li..Tem uma pitada de tristeza, mas é belissimo

    beijinho e ótimo sábado
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa que legal saber disso! Obrigado, Cidália.

      Excluir
  2. ''Um ɑmor nos fɑz enxergɑr cores num céu cinzento...
    É ɑlegriɑ em meio ɑo lɑmento!
    O ɑmor Perfumɑ ɑ vidɑ de formɑ divinɑ...
    Nos fɑz sentir melhor ɑ vidɑ.
    E em meio ɑo turbilhão, nos fɑz nɑvegɑr nɑ cɑnção...
    Nɑ cɑnção que tocɑ, que embɑlɑ o corɑção.
    Tirɑndo-nos um pouco do tédio dɑ rɑzão...
    Nos permitindo seguir ɑ emoção.''

    Fábio o poema ficou maravilhoso, intenso!
    Parabéns pala linda inspiração!

    Beijos no coração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fê. lindo e inspirado comentário, você compôs uma poesia. Muito obrigado, de coração. Beijos!

      Excluir
  3. Que belíssima poesia Fábio, é angustiante e, ao mesmo tempo, encantadora. Cada sensação que coloca nas palavras é tão intensa, tão cheia de sentimentos, que fica impossível não se envolver com essas emoções...

    Acho que essa é a palavra que procuro para sintetizar esse lindo texto: "Emocionante". Parabéns

    ResponderExcluir
  4. Fábio, o que é isso?!!!
    Li teu poema de um modo tão profundo, com lágrimas nos olhos e tendo ciência do tamanho da sensibilidade que foi capaz de tocar meu coração.
    Hoje tive certeza, você é magnifico no que, creio eu, faz de melhor: escrever. Poucas vezes interpretei o amor ou semelhante de forma tão graciosa.
    Um belo poema para ser recitado, hein?

    Uma ótima noite, bom fim de semana e meus sinceros parabéns.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, amável Carol... Que legal saber que o texto te alcançou dessa forma, tão verdadeira, tão intensa! Não sei se mereço tanto, "não sou poeta, faço versos". Gentilíssima como sempre, Beijos!

      Excluir
  5. Nossa mãe!!! Sem dúvida é o texto mais lindo que li em seu blog. Você está bem? rsss
    É triste, é lindo, emociona, nos carrega para outro mundo que só nos faz concordar. Nos tira a esperança e no final ameniza, mas de mim não tirou a verdade, a essência do texto. Fica uma ponta de verdade sobre nós, os humanos.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, obrigado Tais Luso. Tou bem sim, ora! Obrigado pelos favoráveis comentários. Beijo!

      Excluir
  6. Olá, Fábio.

    Você é o ontem 'eu'. por que no hoje, seremos nós, sempre em busca. De quê ?
    Abraços e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  7. Tão profundo e verdadeiro que chega a doer. O amor dói, e dói muito... mas a entrega é belíssima!

    dentrodabolh.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa... Verdade o que disse, conterrânea. Obrigado.

      Excluir
  8. Atingir a cartase não é pra qualquer um.
    Identificação foi o que senti.
    Quando eu crescer vou escrever assim.
    Um domingo cheio de luz e paz. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, Garota. Oxi ,deixa disso. faço nada demais não. Beijos!

      Excluir
  9. Palavras sentidas, Fábio, quase um lamento às vezes. Mas, percebe-se que você já encontrou quem "acende os seus olhos".
    Belo poema!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Pois é, meu amigo, fiquei aqui tentando extrair um verso apenas desse poema maravilhoso para ilustrar o comentário e, acredite, quando vi já estava com quase todo o poema fazendo parte do meu registro, tal a beleza e intensidade com que soubeste criar um momento de angústia poética. Desisti dos excertos e me pus a fazer o comentário... Devastador este teu poema que a gente vai lendo, lendo, absorvendo a beleza do sentimento que te prende e a tristeza da falta pelo ser amado, admirando a facilidade com que expuseste a tua alma num contraponto de emoções, e ao mesmo tempo desejando que nunca te falte essa presença amorosa que em ti desperta tão belos e controversos sentimentos, e que possas ser levado pela corrente sim, mas sabendo bem aonde ir.
    Como já disseram por aqui, também considero um dos teus melhores poemas! Que possas continuar a nos presentear com estas pérolas que tão bem sabes extrair desse coração tão rico de emoções/sensações/sentimentos.
    Que te cheguem sorrisos a brincar entre as estrelas... estas que a tua leitura fez nascer no nosso olhar.
    Com carinho,
    Helena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Helena, muito legais suas generosas palavras. Obrigado pelo carinho. Beijos!

      Excluir
  11. Uma ternura que se sente.

    Gostei.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde poeta...
    palavras muito profundas a esculpirem teus versos..
    por vezes nossa alma se torna intensa e libera desta maneira algo que dentro de nós lateja não é..
    parabens.. abraços e até sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso ai, espiritualizado Samuel , irmão das letras. Obrigado, abraços.

      Excluir
  13. Lindo texto.

    AnaVi
    filhadejose.blogspot.com

    ResponderExcluir

  14. Emocionante a força que irrompe do seu belo texto, Fábio. Instiga as emoções. Um amor urgente, mas de toque angelical, que veda a solidão, as incertezas, dilata sorrisos, fulgores. Simplesmente maravilhoso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lu, pelo comentário inspirador e entusiasmado.

      Excluir
    2. Nossa amiga Lu arrasou no comentário Fábio, rs
      Em poucas palavras disse muito e de forma bem harmoniosa!

      Excluir
    3. É, concordo, Fê, Lu mandou bem!

      Excluir
    4. Agradeço, meus queridos amigos. Fábio, poetisa Nanda, esculpe suas criações poéticas com tanto esmero, que é inevitável conter a empolgação e as emoções, estas fluem naturalmente e são expressas por escrito.

      Excluir
  15. Gosto quando as palavras fazem eu sentir um pouco de tudo, e aqui tive isso: senti angústia, agonia e um pouco da felicidade de encontrar a esperança nos olhos de alguém! Bjs querido =*

    ResponderExcluir
  16. Somos sempre tudo no regaço do outro, não é? :)

    belo poema :)

    abraço

    ResponderExcluir
  17. Dessas declarações de amor, que bem poderia ser declamada embaixo de uma sacada/janela, só para fazer jus ao grande lirismo atribuído em cada palavra!
    Lindíssimo.

    ResponderExcluir
  18. Só tenho a dizer: lindo poema, Fábio!!

    ResponderExcluir
  19. Meu querido, sem nova postagem para admirar, deixo-te milhares de sorrisos a brincar entre as estrelas para enfeitar as horas dos teus dias.
    Com carinho,
    Helena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Helena, sexta-feira tem mais. Obrigado pela força, pelo incentivo e pelo carinho. Beijos!

      Excluir
  20. Apesar de ter uma nota triste, com certeza é um dos poemas mais lindos que já li.
    Parabéns caro amiga, você se supera cada vez mais.
    Um abraço e fique com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei lá, achei tão triste assim não,rs... Porque, no caso, ele tem alguém para compensar, alguém que lhe dá o devido valor, lhe entende como ninguém. Ai toda angustia, toda ansiedade enaltece, só valoriza o ser querido. Obrigado, Maria Tereza pela visita.

      Excluir
  21. (Voltando aqui só para dizer que muito apreciei esse Gadget de músicas.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que não costumo utilizar não, Hellen. Mas, dependendo, realça o texto, além de embelezar o blog, é claro. Obrigado, volte quantas vezes desejar, sinta-se em casa.

      Excluir
  22. Só mesmo o amor para nos fazer emergir e respirar, para poder novamente submergir na perfídia mundana.
    Lindo, lindo.

    (:

    dillymonnete.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Ah Pois é, um poemão saído das entranhas da sensibilidade e da pequenez que somos todos nós sem a auréola do amor. A transbordar a eloquência da necessidade e premência do amor, que nos faz sucumbir em beleza e maravilha, tornando o mundo pesado de fora mais leve pelo fresco olhar de brilho que todo o grande amor nos traz.
    Um dos poemas mais belos e comoventes que já li; lírico e ao mesmo tempo contundente. Como poderia falhar esta pérola?!...
    Líndíssimo. Muitos parabéns, Fábio!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa... Contudente foi teu luxuoso comentario, como sempre. Obrigado, gentil poetisa, Laura.

      Excluir
  24. Um choro e uma canção, um encontro e uma perdição... Contraditório e absolutamente maestro do próprio dizer, do sentir, do ser... Belíssimo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belíssimo foi seu comentário, escritora, Simone Resende. Obrigado.

      Excluir