sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Rebelde com Causa

Desculpem.
Não dá pra sorrir.
Pra manter a necessária calma.
Se estou insultado até a alma.
Não da pra disfarçar o ressentimento,
E me esconder por trás de indecente aparência.
Não dá pra abafar o mau cheiro
E virar as costas a imundície exposta.
Não, não dá pra sufocar o asco
E ter que me contentar 
Com o lado podre da maçã.

Fábio Murilo, 30.04.90

38 comentários:

  1. A forma como você escreve é bem única, bem culta, mas ao mesmo tempo densa. Manda muito bem com as palavras, até mais.
    http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você acha? O ideal é quando dizem. De minha parte sou um severo critico de mim mesmo, chego a ter ser cruel, um sentimento de sempre aquém. Obrigado Renato pela generosidade das palavras.

      Excluir
  2. Ninguém deve nunca esconder-se atrás de aparências, porque ao fim e ao cabo toda a aparência é indecente. No entanto existem tantas situações na vida nas quais se tem mesmo de aparentar... porque às vezes as pessoas nem têm meios para levar uma vida de verdade mesmo que desejassem... a família, a sociedade tentam sempre restringir a individualidade dos outros....
    Revejo-me totalmente nesse "lindo-feio" poema! Você continua a escrever muito bem!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado filosofa Laura. "É mais fácil morrer que viver", uma mulher comum disse no ônibus.

      Excluir
  3. Olá Fábio concordo com você, apesar de eu ser muito amena...
    Na questão sempre tentar manter a calma.
    Mas gostei do seu poema. Esses dias ouvi algo interessante, que até tem me feito mudar.
    Em um programa de televisão, uma moça disse:
    Se estiver triste chore, se estiver feliz sorria, dê gargalhadas, se estiver com fome, coma.
    E tenho aprendido isso...
    Porque algumas vezes queremos reprimir nossos sentimentos.
    Então é como bem você se expressou:

    ''Desculpem.
    Não dá pra sorrir.
    Pra manter a necessária calma.
    Se estou insultado até a alma.
    Não da pra disfarçar o ressentimento,
    E me esconder por trás de indecente aparência.''

    Tenho gostado bastante de sua forma de escrever!

    Beijos! Agradeço a carinhosa visita, volte sempre!

    Fernanda Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Nanda, essa coisa de reprimir é sério. Quantos traumas, quantos psicopatas existem, fruto estragados de uma infância reprimida. Reprimir sentimentos acumula, ócios, rancores, dissabores, venenos, toxinas, energias negativas que escaparam pelos poros e causarão doenças de peles, gastrites nervosa, doenças psicossomáticas. Quer dizer em tudo deve-se usar o bom senso deve ser pesado e medido e comedido, as vezes temos que ser ameno mesmo. O problema são os extremos, são as represas, é ir demais ao encontro da nossa natureza.

      Excluir
  4. Olá Fábio,não pode renunciar aos versos
    e nem dar adeus,pois dentro de nós sempre existirá
    o lado bom que vem do fundo da alma.Deixa o lado ruim,
    sair e dar entrada à novos momentos,novos caminhos.
    Você escreve lindos poemas,não pode deixá-los de lado.

    Perdão ter entrado em seu blog,mas vejo muitos amigos por aqui,
    e não resisti em deixar-lhe esse carinho.
    bjs e um feliz Setembro.
    Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não senhora! pode ficar... Sente-se perto de seus amigos, tome nem que seja um copo d'água. A casa é pequena mais é asseadinha, procuro dar a quem entrar o mínimo confronto, para que quando se forem tenha vontade de voltar. Não perdoo, agradeço.

      Excluir
    2. Obrigada jovem Fábio Múrilo,agradeço pela sua educação em oferecer-me um copo d'água e me chamar de Senhora!!
      Voltei para lhe agradecer a visita.

      abraços
      Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

      Excluir
    3. De nada Senhora, é minha obrigação.

      Excluir
  5. Fábio voltando aqui para agradecer a sua visita em meu outro blog, agora que vi... o motivo de eu voltar, é que fiquei encantada de como você comentou, conseguiu absorver a emoção que quis passar em minha postagens.
    Já que gostei tanto do seu blog, o coloquei na lateral dos meus blogs, onde está escritos ''Blogs de amigos'', em meus favoritos para estar acompanhando suas postagens.

    Beijos!

    Fernanda Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fui levado pela música romântica e fui escrevendo. Muito bonito seu blog, muito bem caprichadinho, bem decorado, foi bom ter estado. Ô obrigado!!! Por colocar entre seus "Blogs de Amigos", farei tudo para merecer essa honraria.

      Excluir
  6. São apenas momentos..
    de riso. de choro.de versos, de rimas.
    Os rebelde com causas somos nós.
    *-*
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Rimas de ventos e velas, vida que vem e que vai" Garota Dourada. Rebelde com causa e com toda razão. Beijos!

      Excluir
  7. Poesia gostosíssima de se ler. Fez-me refletir sobre esse mundo cheio de imundices e aparências. Cheio de gente que julga ou finge se importar.
    Vou te seguir para continuar me deliciando com seus versos!
    Um grande beijo!
    Se tiver interesse por contos, dê uma passada no meu blog <3
    http://sweetjaneand.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Lola que gostou tanto! Verdade, nesse mundo imundo a aparência é tudo. Você é de uma simpatia e delicadeza incríveis. Vou conferir teu blog.

      Excluir
  8. Se existe causa, existe cura. O ressentimento passa e no final, só lembraremos do lado bom da maçã... Ou não.
    Mas uma coisa é certa: assim que recuperar a calma, voltará a sorrir.

    Um abraço

    http://bellebueno.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro Belle. Falo metaforicamente de só provarmos, diariamente, o lado podre da vida, o final de feira. Também temos direito as uvas, as peras, os manjares da boa mesa. Direitos iguais.

      Excluir
  9. Olá, Fábio!

    E não dá para eu lhe deixar comentário, em forma de poesia, minha, ou de um poeta, a sério, mesmo.

    Na realidade, também não consigo viver, muito menos coabitar com aparências e com o podre.

    Boa semana.

    Abraço da Luz.

    PS: estou na 5ª tentativa para deixar comentário. Vou fazer, de novo. Sou muito paciente, boa vontade não me falta e teimosa, também não sou, e quando não sei, peço que me expliquem, por gentileza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa Luz! Quer quer que tá havendo? 5ª tentativa? Não entendi? Ainda é aquela questão de reconhecimento de letras e números que você me relatou anteriormente. Se for é serio. A maioria esmagadora dos blogs que eu visito, uns 90%, tem essa exigência, burocracia inútil, vou tentar resolver, já aprendi. Realmente facilita tirando-a. Obrigado pela dica e generosa boa vontade e paciência.

      Excluir
    2. Bom dia, Fábio!

      Tudo bem?
      Exatamente isso: "VERIFICAÇÃO DE PALAVRA E NÚMERO".

      Nos blogs que visito, 90% NÃO tem essa "tarefa" tão desmotivante. O seu, dos que visito, é o único que tem.

      De nada. Estamos aqui, para ajudar e colaborar.

      Excluir
    3. Poxa isso é sério, obrigado pela luz. (rs...).

      Excluir
  10. Ninguém deve se contentar com restos e podridões...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro Dani! Direitos iguais, "o sol nasce prá todos". Obrigado.

      Excluir
  11. Fiz uma visita no seu blog e achei interessante. Estou me tornando seguidor de seu blog e gostaria que você visitasse o meu blog também e torna-se seguidor dele. O meu blog possui notícias seculares que saem na imprensa. Você vai gostar. Deus abençoe.
    Rafael Carlos
    noticiario-total.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Com estes simples versos, vc disse tudo!..
    De fato, as aparências enganam,.. ocultam o lado mais sombrio da realidade.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Vane. aparência não é tudo. Obrigado.

      Excluir
  13. Querido Fábio ,pude me ver em cada linha do seu poema, e até lembrei de uma música do Lenine chamada do it ,não sei se conhece .
    "Se tá puto, quebre
    Ta feliz, requebre
    Se venceu, celebre
    Se tá velho, alquebre
    Corra atrás da lebre
    Corra atrás da lebre.

    Se perdeu, procure
    Se é seu, segure
    Se tá mal, se cure
    Se é verdade, jure
    Quer saber, apure"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi minha querida Laila! Que bom. Sou da terra de Lenine e não conhecia essa música, bom saber. Obrigado.

      Excluir
  14. Eu amo o que você escreve.
    É exatamente o que eu sinto agora, ou quase sempre. Não sei, mas, não, não dá pra sorrir.
    Você escreve muito bem, Fábio. De coisas maravilhosas a algo doloroso assim. Obrigada por compartilhar isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oxi eu é que agradeço Alemãzinha. Que bom que compartilhamos dos mesmos sentimentos. Você é um doce.

      Excluir
  15. Bom dia, Fábio. O conformismo nunca foi uma saída inteligente para os problemas do mundo, da nossa sociedade impura, destrutiva em si mesma.
    A indignação é o alimento que faz com que movamos nossas ideias em forma de atitude.
    Temos que aprender a dizer não ao sistema hipócrita, que pensa estarmos prontos para sermos vendidos por preço qualquer, nem que fosse uma quantia absurdamente incontável.
    Nossos ideais não têm preço, somos cidadãos com livre escolha, para isso, devemos exercitar o nosso direito de requerer mudanças.
    Beijos na alma e lindo dia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou dizer mais o que Patrícia, você disse tudo. Dizer mais alguma coisa seria "chover no molhado". Obrigado.

      Excluir
  16. Boa tarde Fabio.. coitada da alma o que esta já levou de osso.. mas hj em dia estou buscando equilibrar a mesma tem de ser né.. senão a gente só afunda abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "coitada da alma o que esta já levou de osso..." Gostei dessa Balbinot. Me lembrou de uma música nova de Angela Ro ro: "Estou deixado o ar me respirar".

      Excluir
  17. ''Não da pra disfarçar o ressentimento,
    E ter que me contentar
    Com o lado podre da maçã.''

    Magnifico! Confesso que queria eu, ter escrito o poema por completo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bondade sua, guria, poetiza maior. Malabarista das palavras.

      Excluir