sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Teológico

Professo a religião
Dos que arregaçam as mangas,
Dos que não abandonaram o barco.
Dos que constroem no hoje
As bem bem-aventuranças do amanhã.
Meu credo é dos que se solidarizam
À cotidiana aflição do povo
E dividem como o irmão
“o pão que o diabo amassou”;
Dos que não se prostram, acomodados,
À margem da estrada,
E não fazem de Deus seu burro de carga.

Fábio Murilo, 23.04.91

37 comentários:

  1. Olá, bom dia.
    Coragem.
    Seguir adiante com a sua vida, apostando em si e na força do seu pensamento.
    Belíssimo o seu texto.
    Como sempre, está de parabéns. Uma postagem, que nos faz um convite à reflexão.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, gosto muito de pensar, de refletir, de projetar meus futuros passos, de equacionar minha vida. De fazer um balanço cotidiano, de dar um mínimo de razão a minha existência. De deixar meus passos frágeis, fugazes na areia, entre uma onda e outra. Obrigado Zé.

      Excluir
  2. Bom dia amigo Fabio.. lá em 91 data dela já se mostrou a vc o que estamos a ver hj
    os tempos de hj pedem reflexão para termos forças para seguir. te desejo um lindo dia abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como dizia Cazuza:

      "Eu vejo o futuro repetir o passado,
      Eu vejo um museu de grandes novidades
      O tempo não para..."

      É isso ai Amigo Samuel. Obrigado.



      Excluir
  3. Muito bom, muito mesmo. Não dá pra se conformar com os silêncios das catedrais. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Fred, o pioneiro não tinha casa luxuosa, andava entre prostitutas, ladrões, o homem comum cheio de vícios. A ralé, os excluídos, a escória da sociedade.Quando inquirido porque andava com essas "más companhias" respondeu:: "Vim para os doentes e não para os sãos".

      Excluir
  4. Fábio, fico sempre impressionada como, com tão poucas palavras, consegues dizer sempre tanto!
    A tua religião de arregaçar as mangas, é a melhor forma de ligação que se pode ter com a aflição e o sofrimento dos outros. Do fazer, e não apenas esperar que seja feito.
    Confesso que por vezes fico um pouco desanimada, mas também tento não acomodar-me, não ficar muito tempo nessa beira da estrada, apenas a ver passar os andores...sem prosseguir, e divido tudo o que possa dividir.
    Há muita gente que apenas tem "o pão que o diabo amassou"; muita luta e muito sofrimento; os revezes da fortuna. E não existe "pão" pior que aquele que se come em solidão, regado com o sal das lágrimas.Por vezes um gesto de afecto pode fazer tanto por uma pessoa ... parecendo insignificante, acaba por ter tanto significado.
    Adorei o teu poema, como sempre.
    Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É?!... consigo?! não tinha reparado, interessante.Em conversa com uma Poemiga, dia desses, disse que geralmente componho meus singelos e sintéticos textos nas situações mais adversas, no meio do vendaval: na condução diária do ônibus, muito comumente no meio do afã do trabalho. Não dá muito tempo prá escrever, prá pensar, muito mal capturar a chama vacilante da idéia, antes que se apague com os ventos da tempestade, no imediatismo selvagem da cidade. Obrigado pelo comentário/poema comovente. Digo parecido, adorei seu comentário como sempre, Laura.

      Excluir
  5. Deus perdoa sempre, o homem as vezes e a natureza nunca...e assim vamos brincando de viver. Arregaçando todas as mangas, e vivendo da caridade de quem me detesta. Muito bom como sempre, Fabio Murilo.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A natureza nunca! Isso é verdade. Polui os rios, destrói as florestas, extingue os animais, modifica o clima. Mexe no que tá quieto. O homem é inimigo do homem. Deus não castiga ninguém a gente mesmo é quem se castiga. Valeu fiel Garota Dourada.

      Excluir
  6. Sempre traz poucas palavras, mas que nos dar uma infinidade na mente de reflexão. Eu compreendi pelo texto que devemos sempre ter coragem, força e além disso ajudar uns aos outros. Posso tá um pouco equivocado no que falei, mas talvez seja isso mesmo. Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz se essa interação (reflexão), ocorra a contento. A poesia comporta todas interpretações, inúmeras leituras. Todos estão certos. Não nada mais democrático que um poema. Você está certo.

      Excluir
  7. Compartilho dessa sua religião.

    Construir o hoje para ter um amanhã melhor e mais sólido!

    Não jogar a culpa nos outros, mas saber que as coisas tem que partir de nós mesmos.

    Abaixo à hipocrisia religiosa.

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Vamos precisar de todo mundo,
      um mais um é sempre mais que dois
      Pra melhor juntar as nossas forças
      é só repartir melhor o pão
      Recriar o paraíso agora
      para merecer quem vem depois.

      É isso ai Coffe-Break!

      Excluir
  8. Respostas
    1. Obrigado pelo entusiasmado elogio, Antonio (rs...).

      Excluir
  9. Pois sim, devemos ter em mente que não podemos colocar tudo nas mãos de Deus e esperar que as coisas aconteçam. É preciso termos nossa cota de responsabilidade pela VIDA, porque ele mesmo dizia - OLHA-TE E EU TAMBÉM TE OLHAREI...
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou o "Ajuda-te, que os céus te ajudará". Deus nos fez sua imagem e semelhança, para servos coadjuvantes na vida, da história, criamos novas drogas para amenizar o sofrimento alheio, fazermos transplantes, melhorarmos a aparência física, consertarmos deformidades. Criamos automóveis, aviões,tecnologias várias para melhorar a presente existência. Falta discernimento para não mexer no que tá quieto, para não desequilibramos o meio ambiente, como disse uma colega, acima, A NATUREZA NÃO PERDOA. Não brincar de Deus.

      Excluir
  10. Com a ultima frase,você acabou de dar uns tapas na cara de umas pessoas da minha familia,de outras pessoas do meu trabalho e da maioria das pessoas da "minha" cidade. E eu te agradeço,obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi eu não. Com uma mãozada desse tamanho, vou falar feito Maradona: Foi a mão de Deus (rs...). Obrigado Priscilla.

      Excluir
  11. Fui conferir sua resposta ao meu último comentário, como vc me pediu. Mt obrigada Fábio, me deixou muito feliz. E devo dizer que vc é, sem dúvidas, um de meus leitores favoritos rs
    Não sou religiosa, mas sinceramente, não acho que a religião seja um atraso, como muitas pessoas pensam. Acho que um atraso é a intolerância. Não sei se o poema foi o que interpretei, mas o melhor lado da poesia não é dar margem à interpretações variadas?
    Bjão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeita: "atraso é a intolerância". Como eu falei adoro sua coerência. Poesia é a coisa mais democrática que existe, todos estão certos, poesia não se explica.

      Excluir
  12. Muito bom!!! É bom quando somos tocados, mexidos com o que lemos. Abraço Fábio Murilo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Para mim as coisas acontecem de modo bem diverso, não me importa exibir-me a um público sem face. Meu estimulo não são três, cinco mil pessoas: é você, que dentre essas me lê porque me entende, porque nesse momento de algum modo sente um vínculo de prazer comigo".

      Que legal Milene! Acho extremamente gratificante essa interatividade.

      Excluir
  13. Você escreve bem, hein? Espero que saiba o quanto.
    Esse poema tá falando tanto que dizer qualquer coisa agora - inclusive isso - é redundância e perda de tempo, muito provavelmente. Concordo com quem disse acima "atraso é a intolerância", e quem dera tivesse isso somente se tratando de religião... E não há destino ou fé que trace o caminho que a gente deixou de traçar, enfim, o poema tá magnífico e espero que você poste sempre. Sério.
    Boa semana, Fábio, se cuida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "E não há destino ou fé que trace o caminho que a gente deixou de traçar", Gostei alemãzinha.

      Excluir
  14. Bem, vc contemplou um aspecto muito importante a respeito da religião, mas que muitos não dão a devida importância: não basta termos fé, se não vivermos a religião por meio de nossas ações, sendo solidários para com o próximo, fazendo do mundo um lugar melhor a cada dia.. Infelizmente muitas pessoas se tornaram cada vez mais soberbas e egoístas, querem ser superiores às outras, esquecem que somos todos iguais.
    Gostei muito.. belas e reflexivas palavras

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Vane, “A fé sem obras é morta”, tá na Bíblia. Por pura soberba, algumas pessoas dizem que unicamente basta ter fé, que ser bom é nossa obrigação. Como se fosse fácil amar o próximo como a si mesmo. E é fácil, o gelo do orgulho, do egoísmo, da indiferença, inexplicavelmente, é que são difíceis de serem quebrados. Obrigado pela visita.

      Excluir
  15. É muita reza pra pouca ação... Se pede muito... Se faz tão pouco...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Aline.

      "O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens" Atos 17:24.

      "Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai. Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos" Mateus 10:8-9.

      Excluir
  16. Que lindo André, parabéns! O texto fala muito do que eu penso: não importa a crença, o Deus, mas sim as atitudes, as ações que podem contribuir para algo bom! Adorei...

    Abraços!

    www.universodosleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André?! Ops!... Perdou o ato falho. (rs..). "Quando pratico o bem, sinto-me bem; quando pratico o mal, sinto-me mal. Eis a minha religião" - Desconhecido. Muitíssimo obrigado pela visita.

      Excluir
  17. Partilho desta mesma religião, acredito que tudo isto existe por comunhão...
    Abraço Fábio. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... como parte do grande todo. Obrigado Paulo Renato.

      Excluir